Cuiabá, sexta-feira, 27/11/2020
17:47:11
informe o texto

Notícias / Judiciário

19/10/2020 às 16:02

Taques recorre contra uso do Governo para favorecer campanha de Fávaro

Na Justiça, Taques havia alegado que Mauro Mendes, apoiador declarado de Fávaro, estaria favorecendo o candidato por meio da máquina pública

Camilla Zeni

Taques recorre contra uso do Governo para favorecer campanha de Fávaro

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O candidato ao Senado e ex-governador, Pedro Taques (Solidariedade),  recorreu na Justiça para tentar barrar publicidades institucionais do Governo de Mato Grosso que possam favorecer a campanha de seu concorrente, o senador interino Carlos Fávaro (PSD).

Taques entrou com uma ação na Justiça Eleitoral no dia 12 de outubro, mas teve o pedido negado em primeira análise do juiz-membro Sebastião Monteiro, do dia 14. 

Contudo, Taques alegou que as questões levantadas por ele não foram  completamente analisadas pela Justiça. Segundo ele, o magistrado deixou de considerar que Mauro Mendes é o maior apoiador político de Fávaro e que foi ele o responsável pela posse temporária do candidato no Senado, por meio de decisão do Supremo Tribunal Federal.

Ainda, o solidário ponderou que as publicidades do governo são idênticas às de Fávaro, e com divulgação em datas muito próximas, além de que apenas em agosto deste ano o governo pagou mais de R$ 6,4 milhões em propaganda institucional.

O recurso também apontou que o juiz não apontou jurisprudências que sustentassem sua decisão e ignorou outras decisões de casos semelhantes proferidas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Na visão de Taques, a manutenção da publicidade desequilibra o processo eleitoral.

Ele pontuou, por fim, que não se trata de uma publicidade institucional direta, comum do Governo do Estado, mas de ação indireta, "com o agravante de se tratar de mesma circunscrição, uma vez que o Governo do Estado abrange o mesmo espaço territorial da disputa do Senado (Mato Grosso)", dizia a ação.

Ação negada
Na Justiça, Taques havia alegado que Mauro Mendes, apoiador declarado de Fávaro, estaria favorecendo o candidato por meio da máquina pública

No entanto, o juiz, ao analisar o caso, observou que a legislação eleitoral apenas proíbe a manutenção da propaganda institucional caso os agentes públicos estejam em disputa eleitoral, o que não é o caso do governador. 

Por isso, ele indeferiu o pedido de liminar proposto por Taques, que também pedia a aplicação de multa de R$ 50 mil, em caso de descumprimento de decisão judicial. O magistrado também deu prazo de cinco dias para que Fávaro, sua coligação, e o governador Mauro Mendes apresentem defesa no processo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet