Cuiabá, quarta-feira, 25/11/2020
15:56:52
informe o texto

Notícias / Geral

20/10/2020 às 18:10

Gilberto admite chance de 2ª onda da covid-19 e critica: 'é como se a pandemia não existisse mais'

Secretário avaliou que população já não adota medidas de biossegurança e falta de vacina podem contribuir para nova onda de infecções do novo coronavírus

Camilla Zeni

Gilberto admite chance de 2ª onda da covid-19 e critica: 'é como se a pandemia não existisse mais'

Foto: Christiano Antonucci/Secom

O secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, avaliou como real a possibilidade de que o Estado enfrente uma segunda onda de infecção da covid-19. Para o gestor, um dos principais fatores é o comportamento da população, o que ele vem criticando há mais de quatro meses.

O primeiro caso de covid-19 em Mato Grosso foi registrado no fim de março, sendo que a primeira morte veio semanas depois, no início de abril. Desde então, já foram mais de 3,7 mil óbitos e 137 mil casos confirmados de infecção. 

No último mês, Mato Grosso entrou no que as autoridades chamaram de "platô", o que simbolizou que o ritmo de crescimento na taxa de infecções diminuiu a ponto de se preparar para uma queda na curva. 

Na avaliação do secretário de Saúde, porém, a falta de vacina disponível, aliada ao comportamento da população, pode levar o Estado a enfrentar uma segunda onda de infecções - o que já foi registrado em outros países, como Itália, Espanha e França.

"A população já se comporta como se a pandemia tivesse acabado e isso é muito ruim. Nós estamos recebendo informações do exterior em que já uma segunda onda começa a afetar vários países e eu não noto que haja decisões sanitárias no país [Brasil] para que a gente possa converter combater melhor isso. Continua sendo uma doença transmitida pelas pessoas e não estamos totalmente protegidos a ponto de não termos uma segunda onda", comentou o secretário, em entrevista ao MT1 nesta terça-feira (20).

No programa, o apresentador apontou uma enquete do G1, na qual 65,7% dos leitores afirmou que acredita que haverá uma segunda onda de contágio, justamente por desrespeito às regras de biossegurança. Em relação à isso, o secretário aproveitou para chamar a atenção da população, apontando que o comportamento da população pode contribuir ou não para esse acontecimento.

"Temos que torcer para que isso não aconteça, mas infelizmente, ainda não havendo vacina, é preocupante devido ao comportamento das pessoas. O isolamento social praticamente já inexiste e as aglomerações aumentam a cada dia. Noto pessoas relaxando no aspecto de sua proteção pessoal e dos outros, e a adoção dos hábitos que foram tão preconizados até aqui, infelizmente não existe mais. É como se a pandemia não existisse mais no país", ponderou Gilberto Figueiredo.

Apesar da preocupação do secretário, cabe ponderar que todos os setores econômicos que haviam tido o funcionamento impedido no início da pandemia já retornaram às atividades. As liberações municipais se baseiam em decreto estadual, que apontou que as medidas de biossegurança seriam impostas conforme a classificação de risco de contaminação do vírus em cada município.

Conforme a última atualização da Secretaria de Saúde, feita nessa segunda-feira (19), todos os 141 municípios de Mato Grosso apresentam baixo risco de contaminação. A atualização, feita com base em indicadores, é disponibilizada duas vezes por semana.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet