Cuiabá, terça-feira, 24/11/2020
18:45:47
informe o texto

Notícias / Judiciário

30/10/2020 às 11:32

Propaganda de França que mostra 'caso do paletó' deve ser suspensa

O juiz observou que a propaganda infringiu regras eleitorais ao não apresentar assinatura da coligação responsável

Camilla Zeni

Propaganda de França que mostra 'caso do paletó' deve ser suspensa

Foto: Divulgação

O candidato à Prefeitura de Cuiabá pelo Patriota, Roberto França, e sua coligação Todos Por Cuiabá, terão que tirar de circulação uma propaganda eleitoral na qual o atual prefeito, e candidato à reeleição, Emanuel Pinheiro (MDB), aparece colocando dinheiro no bolso do paletó.

Na decisão, tomada nessa quinta-feira (29), o juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto, da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, reconheceu que o "caso do paletó" envolvendo o prefeito Emanuel é público e de conhecimento nacional. Ele observou que, no entanto, o vídeo de Roberto França teria ferido algumas determinações eleitorais.

Conforme a representação de Emanuel, a peça publicitária reduziu ao máximo a fonte do texto que identifica a coligação Todos Por Cuiabá como autora da inserção, além de conter pedido de votos ou qualquer conteúdo que identifique a mensagem do candidato Roberto França.

Leia também - Emanuel tenta suspender pesquisa Ibope mas Justiça Eleitoral nega pedido

"A irregularidade apontada reside no fato de que, as imagens veiculadas não se limitam a reproduzir fatos noticiados pela mídia e sim, imputam ao candidato Emanuel Pinheiro, a prática de ilícitos", alegou Emanuel. Ele também apontou que a publicação "cria estados mentais na população, induzindo-a a julgar inadequadamente", e que leva ofensar à sua honra e imagem.

Geraldo Fidélis, ao analisar o caso, observou que as imagens veiculadas são verídicas e notórias, e que, embora os comentários sejam ácidos e contundentes, são "próprios do embate eleitoral". 

"Ora, não se veda noticiar fatos, nem, tampouco, permite-se impedir críticas políticas – ainda que utilize expressões duras e contundentes, mas, tão somente, proíbe-se distorcê-los, para criar estados mentais negativos na população", explicou.

Segundo a decisão do juiz, apenas a irregularidade em relação à veiculação do nome da coligação foi identificada. Ele apontou que o gabinete tentou, por diversas vezes, visualizar o nome ou qualquer conteúdo que fizesse alusão ao candidato Roberto França, mas nem mesmo o número de sua candidatura foi identificado.

"O periculum in mora é evidenciado pela continuidade da divulgação do material sem qualquer identificação visível de autoria, o que pode provocar confusão no eleitor e interferir substancialmente, em seu estado mental de maneira prejudicial ao representante", finalizou o juiz.

A Justiça deu dois dias para que a coligação e Roberto França apresentem suas defesas, e um dia para o Ministério Público Eleitoral emitir um parecer sobre a representação. Determinou ainda multa de R$ 1 mil caso França descumpra a decisão judicial.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet