Cuiabá, segunda-feira, 25/01/2021
13:16:34
informe o texto

Notícias / Política

18/11/2020 às 19:47

Senado autoriza a União pagar R$ 65 bi a Estados e municípios; MT terá R$ 6,5 bi

De acordo com o projeto de Wellington Fagundes, a União pagará obrigatoriamente R$ 58 bilhões entre 2020 e 2037

Leiagora

Senado autoriza a União pagar R$ 65 bi a Estados e municípios; MT terá R$ 6,5 bi

Foto: Divulgação

O Senado aprovou por unanimidade, nesta quarta-feira (18), o Projeto de Lei Complementar 133, que autoriza a União transferir R$ 65,5 bilhões aos Estados e municípios para compensar perdas de arrecadação provocadas pela Lei Kandir. Maior exportador de produtos primários e semielaborados, Mato Grosso deverá receber R$ 500 mil ainda este ano e R$ 6,5 bilhões no total. Desse valor, 25% deverão ser transferidos aos 141 municípios.

“Agora, esperamos que a Câmara dos Deputados aprecie e vote com agilidade, e envie essa Lei Complementar para sanção do presidente da República para que se produzam os efeitos ainda este ano”, apelou o senador Wellington Fagundes (PL). O projeto foi relatado pelo senador Antônio Anastasia (PSDB-GO).

Leia também - Virgínia Mendes declara apoio à candidatura de Abílio e Wellaton

De acordo com o projeto aprovado, a União pagará obrigatoriamente R$ 58 bilhões entre 2020 e 2037, já previstos na PEC 188/2019. Os R$ 7,6 bilhões restantes estão condicionados: R$ 3,6 bilhões, divididos em três parcelas anuais, serão pagos após a aprovação da PEC; e R$ 4 bilhões devem vir dos leilões para exploração de blocos dos campos petrolíferos de Atapu e Sépia, na Bacia de Santos, e têm que ser repassados em 2020.

Criada em 1996, a Lei Kandir isenta do recolhimento de ICMS produtos primários e semielaborados, como a soja, milho, algodão, carnes, madeira e minérios. Essa isenção visava a incentivar as exportações nacionais e conceder mais competitividade internacional ao país. Ao longo do tempo, no entanto, Estados e municípios alegaram que a compensação, a ser paga pela União, não estava ocorrendo de forma justa.

A falta de um instrumento eficiente para compensação levou Estados e municípios a questionarem no STF, que indicou que o Congresso Nacional deveria regulamentar as transferências, mas intermediou o acordo a ser cumprido a partir de agora.

Segundo Wellington, a compensação aos Estados e municípios exportadores de produtos primários e semielaborados é uma questão de justiça com a população. Ele lembrou que a indefinição se arrastava há anos e destacou que a solução “é importante para o federalismo brasileiro”. A aprovação da matéria também, segundo ele, afasta o risco de abalar o Pacto Federativo, já que o assunto causava instabilidade política e jurídica.

Bastante celebrado pelos demais senadores, o projeto garante recursos, de acordo com Fagundes, que “vão ajudar os municípios a melhorar as condições administrativas, ofertando melhor saúde, melhor educação, melhor assistência social, melhor qualidade de vida e valorização das cidades”.

 
Da assessoria do senador

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet