Cuiabá, quinta-feira, 28/01/2021
00:51:35
informe o texto

Notícias / Judiciário

23/11/2020 às 11:30

Acusado de explodir presídio para fuga de presos em MT tem liberdade negada no STF

Conforme a ação, Wander também seria faccionado e estaria preso desde junho de 2018

Camilla Zeni

Acusado de explodir presídio para fuga de presos em MT tem liberdade negada no STF

Ministra Rosa Weber

Foto: José Cruz/Agência Brasil

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido de liberdade em favor de Wander Freitas Souza. Ele é acusado de ter participado do planejamento e execução de uma explosão do presídio da Mata Grande, em Rondonópolis (212 km de Cuiabá) para fuga de membros do Comando Vermelho.

Conforme a ação, Wander também seria faccionado e estaria preso desde junho de 2018. Na época, foi preso com outras 11 pessoas acusados de organização criminosa, explosão, fuga de presos, dano qualificado, porte de arma e posse de arma de uso restrito. 

No STF, seu advogado alegou excesso de prazo em sua prisão, o que já não havia sido reconhecido pelo Superior Tribunal de Justiça. Na ocasião, o ministro Antônio Saldanha Palheiro observou que é necessário um "juízo da razoabilidade", considerando a complexidade e peculiaridade da ação.

"A razoável duração do processo não pode ser considerada de maneira isolada e descontextualizada das peculiaridades do caso concreto, até porque a melhor compreensão do princípio constitucional aponta para processo sem dilações indevidas, em que a demora na tramitação do feito há de guardar proporcionalidade com a complexidade do delito nele veiculado", considerou Rosa Weber, em concordância com o ministro do STJ.

Com esse entendimento, a ministra negou o pedido de habeas corpus, em decisão assinada em 18 de novembro.
 
O caso
A explosão de um muro na Penitenciária Major Eldo Sá Corrêa, conhecida como Mata Grande, em Rondonópolis, aconteceu no dia 10 de novembro de 2017. Na época, 27 presos conseguiram fugir.

O buraco foi feito no muro que dá acesso a um matagal, e foi aberto com a ajuda de dinamite. Dos fugitivos, seis foram recapturados pouco tempo depois, ainda no mesmo dia. 

Segundo as informações da época, alguns homens que davam suporte para a fuga trocaram tiros com os agentes de segurança que estavam na torre do presídio, com o objetivo de distraí-los, para a instalação da dinamite.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet