Cuiabá, segunda-feira, 25/01/2021
21:56:26
informe o texto

Notícias / Geral

24/11/2020 às 17:17

Superar preconceito é desafio para prevenir câncer de próstata

Diagnosticado precocemente, cura chega a 90%

Leiagora

Novos tratamentos e técnicas modernas de diagnóstico não conseguiram tirar dos homens o medo e o preconceito em relação ao câncer de próstata, o segundo tipo de câncer que mais atinge o público masculino depois dos tumores de pele. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o Brasil terá, em 2020, quase 66 mil casos de câncer de próstata, que resultarão em aproximadamente 15.600 mortes.

Mesmo diante de números tão altos e de uma avalanche de informações e campanhas sobre o assunto, como o Novembro Azul, os homens não se consultam nem se previnem como deveriam. Duas situações ainda os assustam em relação ao tema: o exame de toque e a possibilidade de impotência sexual a partir do tratamento.

Mesmo com o exame sanguíneo de PSA (sigla em inglês para Antígeno Prostático Específico), o exame físico ou exame de toque ainda é fundamental para a detecção de um tumor na próstata. “O procedimento é rápido, dura em média 10 segundos, é indolor e não traz riscos à saúde. O problema é somente o preconceito de parte dos homens, que associam o exame a questões sexuais e homossexuais”, ressalta o oncologista da Oncolog, André Crepaldi.

“É grande o tabu e o medo, por desinformação ou machismo. Isto está presente em todas as camadas sociais, inacreditavelmente, até mesmo entre médicos, que também são pegos de surpresa pela doença porque não se cuidaram”, destaca o especialista.

Pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), realizada em 2017, indica que 21% do público masculino acredita que o exame de toque retal “não é coisa de homem”. Considerando aqueles com mais de 60 anos, o grupo de maior risco, 38% disseram não achar o procedimento relevante. 

Em homens com idade mais avançada, em geral acima dos 60 anos, é natural o aumento da próstata. No entanto, esta condição não é desculpa para deixar de lados os exames preventivos, que devem ser feitos a partir dos 50 anos periodicamente.

Impotência - Outro temor masculino, a partir do diagnóstico positivo para a doença, são as consequências do tratamento que podem gerar disfunção erétil, possibilidade que fica maior dependendo da idade do homem. A literatura médica aponta que metade dos homens com bom desempenho sexual antes do tratamento do câncer de próstata ainda terá uma boa função após o tratamento da doença. Outros homens apresentarão disfunções moderadas a severas, mas a maioria tem apenas uma pequena perda da função sexual, que muitas vezes volta ao normal dentro de alguns meses após o tratamento.

“Importante lembrar que o risco da impotência aumenta com a idade mais avançada do homem. Muitos homens já apresentam disfunção erétil pela idade, que pode sim ser agravada devido ao tratamento”, explica André Crepaldi.

O tratamento para este tipo de tumor nos casos iniciais está cada vez mais avançado e menos invasivo. Consiste em cirurgia ou radioterapia, ou a combinação dos dois. O avanço tecnológico faz com que as radioterapias sejam cada vez mais localizadas e eficientes, provocando menos danos. A impotência, quando acontece, depende da faixa etária e pode chegar a 20% dos homens, mas ela pode ser revertida com tratamentos, medicação e técnicas. Na cirurgia, técnica como a cirurgia robótica, tem trazido menos efeitos colaterais aos pacientes.

 

Alguns números e dados

- Aproximadamente 62% dos casos de câncer de próstata diagnosticados no mundo são feitos em homens com 65 anos ou mais

-  Apesar de um histórico familiar de câncer de próstata dobrar as chances de ter a doença, 1 em cada 6 homens serão diagnosticados com câncer de próstata

- Devido a fatores genéticos, os homens negros são 60% mais propensos a terem câncer de próstata e possuem 2,4 vezes mais chances de morrer da doença

- O câncer de próstata é um dos cânceres mais assintomáticos, ou seja, nem todos os homens manifestam a doença. Muitas vezes os sintomas podem ser confundidos ou atribuídos a outras patologias

- O exame de PSA é mais eficaz quando é feito concomitante ao toque retal e a avaliação dos fatores de risco do paciente.

- O aumento da próstata acontece com a maioria dos homens à medida que envelhecem e esta condição não aumenta o risco de câncer de próstata.

- A prevenção é fundamental. Se o tumor for diagnosticado em estágio avançado, as chances de sobrevivência são pequenas, apenas 30% dos atingidos estarão vivos após cinco anos.

 
Da Assessoria

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet