Cuiabá, terça-feira, 19/01/2021
13:45:40
informe o texto

Notícias / Judiciário

26/11/2020 às 17:11

Justiça barra propaganda que aponta Abílio vitorioso e Emanuel 'vergonha nacional'

O juiz considerou que a propaganda eleitoral de Abílio feriu a imagem de Emanuel e determinou a retirada imediata da publicação

Camilla Zeni

Justiça barra propaganda que aponta Abílio vitorioso e Emanuel 'vergonha nacional'

Foto: Reprodução

O juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto, da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, determinou a retirada imediata de uma propaganda que aponta o candidato Abílio Júnior (Podemos) como vitorioso na eleição municipal. Na decisão desta quinta-feira (26), o juiz fixou multa de R$ 20 mil em caso de reincidência. 

A ação judicial foi proposta pela coligação que tem como candidato à reeleição o atual gestor, Emanuel Pinheiro (MDB). Segundo eles, a propaganda, além de atacar a honra e imagem de Emanuel, o ridiculariza, porque lhe imputa a pecha de "prefeito vergonha nacional".

A coligação alegou que o vídeo de Abílio apresenta apenas ilações, porque as acusações feitas contra Emanuel não foram provadas, "prejudicando de forma ímpar a lisura do pleito eleitoral".

"Note Excelência, que a mensagem não se limitou a reproduzir fatos noticiados, mas o representado fez afirmações falsas alegando que quatro secretários foram presos ou afastados por corrupção, o que não é verdade, veiculando matérias jornalísticas fora do contexto, fazendo uso, inclusive, da computação gráfica", acrescentaram.

O juiz, analisando o caso, observou a necessidade de regularizar a propaganda, porque a Justiça Eleitoral proíbe imputações falsas ou deturpadas, com o objetivo de criar estados mentais nos eleitores.

"Em sede preliminar, ressai do cotejo das imagens e da degravação que os representados apresentaram imagens verídicas – cuja veiculação é permitida, porém, junto a elas, no material guerreado, há também a apresentação de conteúdo que ultrapassa os limites da razoabilidade e transbordam o embate eleitoral, situando-se em violação a direitos à honra e à imagem, já que não se trata de uma imputação genérica e direcionada apenas à atuação política e sim, em afronta direta, pessoal e sem fundamento que o justifique", analisou o magistrado.

Dessa forma, Fidelis determinou a retirada imediata do material de todas as redes sociais, e concedeu dois dias para Abílio e sua coligação apresentarem defesa. O Ministério Público Eleitoral também tem um dia para analisar o caso e emitir um parecer.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet