Cuiabá, sábado, 16/01/2021
05:06:29
informe o texto

Notícias / Judiciário

22/12/2020 às 10:24

Governo pede ressarcimento de mais de R$ 830 milhões de Consórcio VLT

Em caráter liminar (provisório), a PGE também requereu que o Consórcio fique responsável pela guarda e manutenção dos vagões, retirando-os do local, bem como em vendê-los

Alline Marques

Governo pede ressarcimento de mais de R$ 830 milhões de Consórcio VLT

Foto: Christiano Antonucci

O governo do Estado entrou na justiça contra o Consórcio VLT e as cinco empresas que o compõem: CR Almeida, CAF Brasil, Santa Bárbara Construções, Magna Engenharia e Astep Engenharia. O Estado pede o ressarcimento de mais de R$ 830 milhões. Em caráter liminar (provisório), a PGE também requereu que o Consórcio fique responsável pela guarda e manutenção dos vagões, retirando-os do local, bem como em vendê-los, depositando em conta judicial os valores obtidos com a venda.

Do total solicitado em ressarcimento, R$ 676,8 milhões são por danos materiais em razão dos pagamentos ao Consórcio para a obra que nunca foi entregue; outros R$ 147,7 milhões por danos morais coletivos; e mais a recomposição de R$ 6,4 milhões que o Estado gastou na contratação de consultorias técnicas para proporem uma solução ao Veículo Leve Sobre Trilhos. 

A ação foi protocolada no Fórum de Cuiabá ainda na segunda-feira (21) pelo procurador-geral do Estado, Francisco Lopes, e pelos procuradores do Estado Wilmer Cysne Neto e André Ferreira Pinto. O governo apresentou ontem o estudo do modal de transporte e optou por implantar o BRT, que é um corredor de ônibus, que vai ligar Cuiabá e Várzea Grande. 

Na ação, a PGE narrou todo o imbróglio que envolve o VLT, desde a decisão equivocada na escolha do modal para atender as necessidades da Copa do Mundo de 2014, que contrariou os pareceres técnicos, até as ações judiciais cíveis e criminais relativas à obra, que envolvem desde as irregularidades na contratação até as delações e denúncias sobre propinas milionárias pagas a agentes públicos.

Atualmente, conforme a PGE, o contrato entre o Estado e o consórcio está rescindido, decisão que foi mantida pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Prejuízos causados

A PGE relatou que a culpa pela rescisão do contrato com o Consórcio VLT foi exclusiva do próprio consórcio, pois o grupo de empresas fez “promessa e pagamento de vantagem indevida a agentes públicos, além de subcontratação irregular e cumprimento irregular das cláusulas contratuais”.

O Governo de Mato Grosso argumenta ainda que decidiu pela substituição do modal VLT pelo BRT, após estudos técnicos que atestaram a total inviabilidade do Veículo Leve Sobre Trilhas, a PGE registrou que tem direito a “satisfação das perdas e danos”, pois o objeto contratado se tornou inútil justamente pela demora e descumprimento do contrato.

No relato da PGE referente às irregularidades, a procuradoria relembra os esquemas que causaram danos aos cofres públicos. A corrupção envolvendo a escolha do VLT já foi descrita em delações, dentre elas, do ex-governador Silval Barbosa. Desta forma, conforme a Lei de Licitações e a Lei de Improbidade, a PGE argumentou que o Governo de Mato Grosso tem “o direito de se ressarcir integralmente dos prejuízos experimentados”.

Em trechos da ação, a PGE aponta que “não se pode deixar de ressaltar, inclusive, o ajuste lesivo dos autores com os agentes públicos que conduziram a licitação, nos idos de 2012”. No histórico, lembra-se que logo após vencer a licitação, em 21 de maio de 2012, o Consórcio VLT Cuiabá – Várzea Grande protocolizou em 18 de junho daquele ao o Ofício n. 001/2012, recebido às 17h pelo presidente da Comissão de Licitação, postulando “correções e inclusões na minuta de contrato”, “com o objetivo de viabilizar a assinatura do contrato”.
 
“Não obstante a postulação traga mais de 30 (trinta) alterações nas cláusulas do contrato a ser assinado, o expediente foi recebido em 19.06.2012 pela Assessoria Jurídica da SECOPA, que o analisou no mesmo dia, emitindo o Parecer n. 139/2012/AJ/SECOPA, homologado pelo então secretário de Estado Maurício Souza Guimarães também na mesma data, com celeridade certamente incomum na Administração Pública. Ignorou-se a excepcionalidade de alterações em contrato administrativo em momento posterior à licitação e antes da assinatura do contrato, para estabelecer dispositivos que ensejam benesses financeiras e jurídicas ao Consórcio VLT, em evidente afronta ao interesse público”, diz trecho da ação.

A PGE ponta ainda que “não há dúvida no sentido de que os réus, previamente acordados com agentes públicos, praticaram atos de corrupção e de improbidade, violando flagrantemente os princípios da legalidade, da moralidade, da igualdade, da probidade administrativa, da economicidade e da vinculação ao instrumento convocatório, provocando, com suas condutas reprováveis, a rescisão unilateral do contrato administrativo firmado com o autor”.

Na ação, a procuradoria destaca que era obrigação do consórcio ter entregue o VLT instalado e funcionando antes do evento da Copa do Mundo de 2014. Porém, passado o evento, não acabou a responsabilidade do consórcio de concluir a obra. Só que ela nunca foi concluída e ainda foi alvo da Operação Descarrilho pela Polícia Federal, decorrente de uma investigação sobre esquemas de pagamentos indevidos efetuados pelo Consórcio VLT a membros da alta cúpula do Governo Estadual. 

“É direito do Autor, portanto, ver-se ressarcido de todos os prejuízos experimentados pela inexecução da obra, notadamente porque grande parte dos materiais e algumas obras entregues não serão de nenhuma utilidade para o Estado, agora que, por fatos supervenientes, devidamente comprovados, decidiu-se por não retomar a execução do VLT”, aponta a ação. 

Ressarcimento e danos morais

De acordo com a PGE, o Consórcio VLT tem a obrigação de ressarcir os cofres públicos em relação a todos os gastos que não tiveram serventia ao Estado: instalações do Centro de Manutenção e do Centro de Comando Operacional, Subestações de Energia, equipamentos de sinalização e rede área de alimentação do material rodante, equipamentos de sistemas das subestações retificadoras de energia, telecomunicações, rede área, sinalização e sobressalentes do Material Rodante, dentre outros, que agora não terão mais utilidade diante da troca do modal para BRT.

O valor total pago por esses itens é de R$ 676, 8 milhões.

Também é obrigação do grupo empresarial, conforme a PGE, ressarcir o Estado pelos gastos com os estudos técnicos contratados para analisar a viabilidade do VLT em decorrência do imbróglio. Foram contratadas as empresas KPMG Consultoria Ltda e LSE Laboratório de Sistemas Estruturais Ltda, no valor total de R$ 6,4 milhões.

Foi pedido também indenização pelos danos morais coletivos causados à sociedade mato-grossense, no montante de R$ 147,7 milhões.

“Os fatos são vultuosos e causaram prejuízo de toda ordem a coletividade, frustrando a implantação de obra voltada ao transporte coletivo”.

Além disso, a PGE argumentou que os vagões e demais composições dos trens adquiridos estão sujeitos a perecerem, e, por isso, pediu que a Justiça determina que as empresas “fiquem responsabilizadas pela posse, guarda, zelo, conservação e manutenção dos itens adquiridos sem utilidade (material rodante, trilhos, sistemas, etc.), a fim de estancar danos futuros que certamente ocorrerão caso a estocagem de tais itens permaneça como está”.

Segundo a Procuradoria, seria inviável que o próprio Estado ficasse responsável por tentar vender esses vagões, já que não há sequer mercado para isso em Mato Grosso. Assim, foi requerido que o Consórcio o faça e, após, deposite os valores em conta judicial.

“Nesse caso, uma solução plenamente viável e que atenderia perfeitamente os interesses de ambas as partes, consistiria na determinação judicial no sentido de que os Réus, capitaneados pela empresa CAF Brasil, fabricante do material rodante e dos sistemas, após a apresentação de caução idônea no âmbito deste processo, efetivassem a remoção do material rodante, trilhos e sistemas de volta à origem (Espanha), sede da fabricante, para que, após regular manutenção e eventual atualização, fossem vendidos a outro interessado, com o posterior depósito judicial da quantia obtida com a alienação”.

“A solução ora apontada, além de plenamente viável, é capaz de evitar o perecimento dos valiosos itens já adquiridos e pagos pelo Estado, que agora ficarão sem serventia, e, ao mesmo tempo, ajudará os Réus no pagamento da futura indenização, mediante monetização, em moeda estrangeira (Euro), pela sua cotação atual, do material rodante, trilhos e sistemas”, completou.

 
Com informações da Secom-MT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet