Cuiabá, quinta-feira, 06/05/2021
20:56:20
informe o texto

Notícias / Geral

21/01/2021 às 14:26

Setor metroferroviário vê mudança de VLT para BRT 'equivocada' e critica dados

Entidades do setor emitiram carta informando que tentaram audiência com o governo mas não foi atendido; segundo os estudos, VLT é a opção mais viável

Camilla Zeni

Setor metroferroviário vê mudança de VLT para BRT 'equivocada' e critica dados

Foto: Edson Rodrigues/Secom-MT

Entidades nacionais do setor metroferroviário emitiram uma carta-manifesto contra a decisão do governo mato-grossense de mudar a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) para o Bus Rapid Transit (BRT). Conforme as organizações, a mudança foi pautada "sem estudos técnicos suficientes". 

Na carta, as entidades afirmam que a visão técnica do setor metroferroviário aponta o oposto do que foi decidido pelo governo do Estado, no sentido de que a implantação do VLT continua sendo mais viável do que a mudança do modal.

"O projeto do VLT Cuiabá-Várzea Grande está muito avançado enquanto o do BRT está em fase ainda preliminar, sem estudos definitivos, projetos básicos, executivos, licenças ambientais… o que torna impossível avaliar a alternativa BRT corretamente e, menos ainda, compará-la com o VLT", apontaram.

Conforme as entidades, o VLT seria a melhor escolha para fazer o trecho entre as cidades em razão de critérios como menor custo para a conclusão das obras, maior interesse público, menor tempo para implantação, já ter material rodante (vagões) adquiridos, maior velocidade operacional e menor custo operacional, uma vez que carrega mais passageiros por menos unidades.

As entidades ainda afirmaram que desde outubro de 2020 tentam participar de audiência com o governador Mauro Mendes (DEM), no intuito de debater a viabilidade dos modais de transporte, mas não obtiveram sucesso.

"Em respeito à engenharia, aos estudos nacionais e internacionais, aos projetos de sucesso já implantados, aos procedimentos administrativos e legais, às portarias interministeriais que norteiam o setor, aos recursos públicos já investidos, aos contratos de financiamento público em curso, propomos um amplo debate público para que a verdade venha à tona e com ela fique definitivamente claro que a decisão correta para o caso em tela é terminar a obra do projeto LT Cuiabá-Várzea Grande", pediram.

O documento é assinado pelos Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviário (Simefre), Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP), Associação Latino-Americana de Ferrovias (Alaf) e pelo Instituto de Engenharia.

Apontamentos 

No relatório anexo à carta, as organizações rebatem, ponto a ponto, das alegações utilizadas pelo Governo de Mato Grosso para justificar a mudança do modal, que foi anunciada à sociedade no dia 21 de dezembro.

Confira alguns pontos levantados pela entidade:

Sobre matriz energética
  • Visão do governo: VLT usa cabos aparentes; BRT é movido a eletricidade, com bateria recarregável
  • Visão do setor: VLT usa cabos, mas sem riscos de pontos de carga, autonomia ou descarte; governo não abordou questões de custo, pontos de carga, manutenção, autonomia e descarte de baterias para o BRT
Sobre tarifa
  • Visão do governo: VLT custará R$ 5,28; BRT custará R$ 3,04
  • Visão do setor: Não é possível calcular custo sem projetos básico e executivo; VLT tem projeto conhecido e em boa parte implantado
Custos para conclusão da obra
  • Visão do governo: VLT R$ 763 milhões; BRT R$ 430 milhões, com a aquisição de 54 ônibus elétricos
  • Visão do setor: VLT 763 milhões (maior parte investimento privado); BRT R$ 1 bilhão em recursos públicos
Tempo de implantação
  • Visão do governo: VLT 48 meses; BRT 24 meses
  • Visão do setor: VLT 30 meses; BRT 42 a 48 meses

Risco para implantação do modal
  • Visão do governo: VLT maior risco; BRT menor
  • Visão do setor: VLT menor risco; BRT maior risco
Número de veículos
  • Visão do governo: VLT 29 vagões (incluído três reservas); BRT 54 ônibus (incluído quatro reservas)
  • Visão do setor: VLT 40 vagões (incluído três reservas) já comprados e transportados para VG; BRT 54 (incluído quatro reservas), mas precisam ser especificados, fabricados e transportados até VG

Confira o relatório técnico na íntegra aqui.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet