Cuiabá, quinta-feira, 04/03/2021
03:22:47
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

15/02/2021 às 12:09

Lideranças políticas e produtivas criticam a proposta do Zoneamento Socioeconômico

Concluído em 2008, o ZSEE não reflete mais a realidade do Estado e ignora a expansão das fronteiras agrícolas

Leiagora

Lideranças políticas e produtivas criticam a proposta do Zoneamento Socioeconômico

Foto: Imagem Ilustrativa

Prefeitos e representantes do setor produtivo querem suspender a consulta pública sobre o Zoneamento Socioeconômico e Ecológico (ZSEE-MT), proposto pela Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado de Mato Grosso, até que o documento seja revisado, debatido e atualizado. Os representantes do poder público e do setor produtivo questionam a validade de um estudo realizado entre 2005 e 2008, quando o cenário econômico era outro no estado.

O histórico do ZSEE aponta que as pesquisas e levantamento em campo foram realizados nos anos de 2005 a 2007 e o material foi concluído pela Embrapa e apresentado em 2008, ainda no governo Blairo Maggi. Apesar do processo, o Zoneamento nunca foi implementado e sofreu inúmeras contestações feitas por diferentes representantes da sociedade civil, inclusive sendo alvo de questionamentos pelo Ministério Público.

De 2008 para cá, a produção de soja e milho, por exemplo, passou de 25 milhões de toneladas por safra para 72 milhões de toneladas e a área plantada dos dois grãos chegará a 15,9 milhões de hectares este ano, o dobro do que era plantado em 2008, segundo dados do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

A presidente da Associação dos Produtores do Vale do Guaporé, Teresinha Staut, explica que a região oeste está passando por um processo de transformação que está promovendo o desenvolvimento da região e agregando valor e qualidade de vida para a população local e que este avanço corre riscos caso o Zoneamento seja aprovado sem que isso seja considerado. 

“Por estarmos em uma faixa de fronteira, o produtor é o guardião, é ele que, com suas propriedades rurais, ocupa a nossa divisa, fortalecendo o território brasileiro. Os estudos do zoneamento de 2008, realizados e aprovados sob consulta pública, são muito diferentes da realidade de hoje e não corresponde a tudo que vem sendo produzido na região”, afirma a produtora.

De acordo com os produtores, o ZSEE-MT ignora o processo de expansão das fronteiras agropecuária no estado, que aliada ao uso de tecnologias e em acordo com a legislação em vigência, promoveu o desenvolvimento social e econômico, gerando renda e riquezas para a população.

A deputada estadual Janaina Riva (MDB), que participou de uma reunião com o setor produtivo, defende que Assembleia Legislativa tente barrar na Justiça, por meio da Procuradoria, a implantação da revisão do ZSEE-MT, que inviabiliza a agricultura no estado.

“Acho que todos nós fomos pegos de surpresa com essa consulta pública que está sendo feita para a implantação da revisão do zoneamento de 2018 que foi feita durante a gestão do ex-governador Pedro Taques, muitos prefeitos estão desesperados. Isso se refletiu na Assembleia Legislativa e em nós deputados que temos sido diariamente procurados pelos prefeitos em busca de uma solução. No Araguaia, por exemplo, vai ser impossível produzir caso essa revisão passe a vigorar. Na minha região, que é a noroeste, vamos ter que voltar a colher castanha, porque plantar não vai ser possível mais com essa nova delimitação socioeconômica ecológica”, explica.

O prefeito de Vila Bela da Santíssima Trindade, Dr. André, afirma que este projeto pode trazer sérios problemas econômicos e sociais para os municípios. “Não tem como aprovar este modelo de Zoneamento porque vai significar a falência de muitos municípios, inclusive o meu, Vila Bela”. De acordo com o prefeito, além de inviabilizar a produção, o ZSEE ainda vai criar unidades de conservação sem que os proprietários das áreas sejam indenizados. 

Produtores rurais, lideranças e prefeitos defendem a criação de um Grupo de Trabalho, com a participação de representantes do segmento econômicos e políticos, tais como Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Federação do Comércio e Serviços do Estado de Mato Grosso (Fecomércio), Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (Fiemt), Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso (Cipem), Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB-MT), Assembleia Legislativa, entre outras entidades, para a elaboração de uma proposta alternativa, adequada aos modelos produtivos atuais e dentro do conceito “economicamente viável, socialmente justo e ecologicamente correto”. Além das entidades representativas, eles defendem a colaboração de instituições de pesquisa como a Embrapa.

 
Da Assessoria 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet