Cuiabá, sexta-feira, 05/03/2021
18:45:17
informe o texto

Notícias / Judiciário

18/02/2021 às 15:25

Justiça marca audiência em processo de indenização contra médica que atropelou verdureiro

Família também acionou a Prefeitura de Cuiabá em razão da morte do trabalhador, mas a Justiça excluiu o município do processo

Camilla Zeni

Justiça marca audiência em processo de indenização contra médica que atropelou verdureiro

Foto: Reprodução

O juiz Jones Gattas, da 6ª Vara Cível de Cuiabá, marcou para o dia 4 de maio a audiência de instrução e julgamento no processo que apura a responsabilidade da médica Letícia Bortolini no atropelamento do verdureiro Francisco Lúcio Maia.

Conforme o magistrado, as partes têm 15 dias para indicar as testemunhas que farão parte do processo. A audiência vai ser realizada por videoconferência, em razão da pandemia da covid-19.

A ação foi movida pela família de Francisco contra a médica e a Prefeitura de Cuiabá. O intuito é o recebimento de indenização em razão da morte do trabalhador. No entanto, o magistrado observou que seria necessária outra ação contra a Prefeitura para apurar eventual culpa pela fatalidade. Na mesma decisão, o juiz determinou a exclusão do município da ação.

Leia também - Após três anos, MPF é favorável ao retorno de conselheiros afastados do TCE

Além desse processo, a médica também responde a uma ação criminal, na qual é acusada pela morte do trabalhador. Nessa ação, o juiz Flávio Miraglia, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá, determinou uma nova perícia para estudar o acidente. O resultado, concluído em dezembro passado, veio à tona neste mês.

Atropelamento

Era noite de 14 de abril de 2018 quando a médica Letícia Bortolini, de 39 anos, atropelou o verdureiro Francisco Lucio Maia ao deixar uma festa, com seu marido, em direção a sua casa, no Bairro Jardim Itália, em Cuiabá.  

Imagens da avenida Miguel Sutil, onde aconteceu o acidente, mostraram o trabalhador com um carrinho de verduras, tentando passar pelo canteiro, quando foi atingido pelo veículo de Letícia, um Jeep Compass.

Segundo as investigações, Letícia dirigiu sob efeito de álcool e não parou para prestar socorro ao trabalhador, que morreu no local. Ela foi denunciada pelo Ministério Público do Estado, em setembro daquele ano, pelos crimes de homicídio doloso (quando há a intenção de matar), omissão de socorro, condução sob embriaguez e se afastar do local de sinistro para fugir da responsabilidade. 

A médica chegou a ser presa depois do acidente, mas conseguiu liberdade pouco depois e responde, desde então, em liberdade.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet