Cuiabá, sexta-feira, 05/03/2021
19:08:34
informe o texto

Notícias / Política

21/02/2021 às 16:00

Dilmar diz que 'comissão do PLC' está resolvendo um problema e cita alíquota progressiva

Parlamentar discordou sobre falta de isenção da base e afirmou que colegas vão apresentar proposta "que seja viável"

Camilla Zeni

Dilmar diz que 'comissão do PLC' está resolvendo um problema e cita alíquota progressiva

Deputado Dilmar Dal'Bosco

Foto: Camilla Zeni / Leiagora

O deputado estadual Dilmar Dal’Bosco (DEM), líder do governo na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), defendeu a comissão especial criada para uma nova proposta de alteração nas regras da previdência estadual. O parlamentar garantiu que os colegas vão apresentar uma proposta que seja aprovada “pelos dois lados” e avaliou a possibilidade da implantação de uma alíquota progressiva.

Depois que o presidente da ALMT, deputado Eduardo Botelho (DEM), anunciou os membros da comissão, alguns parlamentares questionaram a possibilidade dos colegas elaborarem uma proposta isenta para atender aos anseios dos servidores públicos aposentados, assim como os do governo do estado. Isso porque, para a comissão, foram escolhidos os deputados Dilmar Dal’Bosco (DEM), Carlos Avalone (PSDB), Xuxu Dal’Molin (PSC), Max Russi (PSB) e Allan Kardec (PDT), além de Botelho.

Apesar da formação do grupo ser 
feita, em maioria, pela base do governo, Dilmar afirmou que o trabalho vai ser isento e com o objetivo de promover uma lei que seja possível de ser aplicada pelo Estado.

Leia também - Fávero diz que Assembleia trabalha duas horas por dia e critica sessão única de votação

“Não concordo de maneira nenhuma [com as declarações], até porque nós defendemos nosso estado, defendemos todos. Não somos pensos para defesa, mas vamos construir um projeto que pode ser aprovado e que não tenha problema de inconstitucionalidade”, disse ao Leiagora

O parlamentar lembrou que a Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei Complementar nº 36/2020, sabendo que seria inconstitucional e que acabaria judicializado pelo governo do Estado. O governador Mauro Mendes (DEM) chegou a vetar o PLC e conseguiu, em trabalho com os deputados da base, manter o veto na sessão de votação realizada no dia 9 de fevereiro.

“Nós estávamos construindo uma situação antes do projeto ser aprovado e o próprio autor do projeto sabia que não tinha consistência jurídica nenhuma. Agora, o que estamos tentando construir é para resolver um problema”, colocou.

Conforme o deputado, uma das propostas mais viáveis é a aplicação de alíquota progressiva para a contribuição dos aposentados e pensionistas. “É a única alternativa que dá para fazer. Vamos ter que achar um valor para descontar de quem ganha R$ 10 mil, R$ 15 mil”, disse. 

A proposta deve ser elaborada até a próxima sexta-feira (26), quando a comissão se reúne para bater o martelo. Depois, será levada para que os parlamentares analisem e, só então, será apresentada ao governo do estado. Para evitar que o projeto seja inconstitucional, é preciso que a proposta seja apresentada na ALMT pelo Executivo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet