Cuiabá, segunda-feira, 12/04/2021
00:48:00
informe o texto

Notícias / Judiciário

01/03/2021 às 11:04

Mendes e AL devem apresentar informações ao STF sobre auxílio aos professores

A lei foi promulgada pela Assembleia Legislativa que derrubou o veto do governo, sendo assim, o Estado recorreu à justiça. O valor nunca foi pago.

Kamila Arruda e Camilla Zeni

Mendes e AL devem apresentar informações ao STF sobre auxílio aos professores

Foto: José Cruz / Agência Brasil

O governador Mauro Mendes (DEM) e o presidente da Assembleia Legislativa Max Russi (PSB) têm cinco dias para prestar informações ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a lei que garante o pagamento de auxílio emergencial aos professores contratados pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc). A normativa foi aprovada pelo Parlamento de Mato Grosso, que derrubou o veto do chefe do Executivo Estadual.  

“Determino sejam requisitadas, com urgência e prioridade, informações ao governador e ao presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, a serem prestadas no prazo máximo e improrrogável de cinco dias. Na sequência, vista à Advocacia-Geral da União e à Procuradoria-Geral da República, sucessivamente, para manifestação, na forma da legislação vigente, no prazo máximo e prioritário de três dias cada qual”, diz trecho da decisão da ministra Carmém Lúcia.

A medida é reflexo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) impetrada pelo Governo do Estado com o intuito de evitar o pagamento do auxílio emergencial no valor de R$ 1,1 mil aos professores.

Mendes argumenta que os deputados interferiram "no poder de auto-organização do Executivo do Estado de Mato Grosso ao pretender disciplinar o regime jurídico de servidores estaduais", criando despesas “vultuosas” em plena crise econômica.  

O projeto de lei foi aprovado pela Assembleia Legislativa em maio do ano passado, mas acabou sendo vetado por Mendes. Os parlamentares derrubaram o veto e promulgaram a lei pouco tempo depois.

Em suma, a matéria garante o pagamento de um auxílio emergencial aos professores contratados pela Seduc. Conforme a lei, o pagamento deverá ser feito pela pasta ou pela Secretaria de Estado de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setasc). 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet