Cuiabá, sábado, 17/04/2021
22:33:07
informe o texto

Notícias / Judiciário

05/03/2021 às 08:44

Justiça extingue ação que questionava verbas indenizatórias da Câmara de Cuiabá

O magistrado deixou claro que a ação foi extinta apenas porque foi usada uma via inadequada para o questionamento. Contudo, outra ação, movida pelo MPE, já foi proposta contra a VI

Camilla Zeni

Justiça extingue ação que questionava verbas indenizatórias da Câmara de Cuiabá

Juiz Bruno D'Oliveira Marques

Foto: TJMT

O juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, extinguiu uma ação movida contra o reajuste de valores da verba indenizatória dos vereadores e chefes de gabinetes de Cuiabá.

A ação foi movida pelo advogado Elvis Crey Arruda de Oliveira, que apontou que a Justiça já havia determinado a redução dos valores para até 60% da remuneração dos parlamentares. 

O advogado acrescentou que, ainda assim, a Câmara aprovou três projetos de leis que reajustaram os valores, representando "ato leviso ao patrimônio público". Por isso, pediu a suspensão dos atos que resultaram nas aprovações dos projetos.

No entanto, o magistrado apontou que a ação não poderia ser recebida, porque uma ação popular não é o meio adequado para declarar a nulidade de uma lei ou mesmo de um ato normativo. Para isso, seria necessária uma ação direta de inconstitucionalidade.

"O pedido formulado pela parte autora, seja de tutela provisória ["suspensão dos atos de aprovação"] ou de definitiva ["decretar a invalidade do ato"], possui nítido conteúdo de invalidação das normas em referência, buscando, ainda que por vias transversas, obter a supressão de todos os seus efeitos atuais e futuros", apontou o magistrado.

Cabe destacar que o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, já acionou o Tribunal de Justiça contra a nova verba indenizatória dos vereadores de Cuiabá. O benefício foi "reformulado" com a Lei Municipal nº 6.625/2021, sancionada em 15 de janeiro, que fixou a VI em R$ 18 mil. 

Segundo o procurador-geral, o valor é inconstitucional por ser, inclusive, maior do que o subsídio dos vereadores. Ao todo o benefício representa 119% do salário pago na Câmara.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet