Cuiabá, quarta-feira, 14/04/2021
14:59:50
informe o texto

Notícias / Política

08/03/2021 às 17:30

Pinheiro defende flexibilização do comércio e fala em irresponsabilidade da população

Para o emedebista, toda e qualquer medida adotada pelo poder público só terá reflexos se o cidadão também fizer a sua parte.

Kamila Arruda

Pinheiro defende flexibilização do comércio e fala em irresponsabilidade da população

Foto: Reprodução

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) defende a flexibilização das medidas restritivas adotadas pelo governo do Estado e prefere colocar a toda a responsabilidade dos aumentos de casos na população. 

Para o emedebista, toda e qualquer medida adotada pelo poder público só terá reflexos se o cidadão também fizer a sua parte. “Não estou jogando a culpa na população, mas chamando a responsabilidade da população, porque não tem medida no mundo que dê certo se não tiver colaboração, se cada um fizer sua parte, exigir seus direitos e souber seus deveres e responsabilidade. Pode me cobrar, mas também estou cobrando os outros. Todos têm direitos e deveres”, disse o chefe do Executivo Municipal citando as aglomerações em bares e a realização de festas clandestinas. 


Para ele, o momento agora é de punição e não de imposição. “Eu estou absolutamente convencido que a hora é de medidas de biossegurança, medidas restritivas que proporcione a cidade circular, assegurae o funcionamento das empresas e atacar os malfeitores. Aí sim, daremos um passo para evitar uma sequela menor”, finaliza. A Prefeitura inclusive sancionou uma lei que prevê multas de até R$ 60 mil para quem insistir em descumprir as medidas.

Emanuel prometeu na campanha que não faria lockdown e vem agora tentando a todo custo manter o funcionamento do comércio. Ele chegou a editar um novo decreto para contrapor o governo, fechando apenas casas noturnas, e ampliando o horário do comércio. Porém, foi barrado na justiça e agora aguarda decisão no Supremo Tribunal Federal (STF). 


“Um ano depois você acha que fechar 15 dias resolve? Tem que levar em conta a questão psicológica. Ir baixando decretos sem conversar gera um desespero nas pessoas, medo do desemprego. Claro que o comércio tem que respeitar, mas não são os propagadores da covid, mas sim as festas clandestinas. Não é uma padaria, restaurante, que vai propagar, mas um ditado popular e outros bares na praça popular. Vamos tratar os iguais como iguais e os desiguais como desiguais. Tem que ter esse entendimento e ir flexibilizando”, apontou durante entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (8).

Por outro lado, o prefeito apontou até mesmo a dificuldade da fiscalização funcionar, já que as pessoas não aceitam mais a imposição de regras e horários. Ainda assim, garante que irá punir com rigor aqueles que descumprirem as medidas. 

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet