Cuiabá, terça-feira, 13/04/2021
06:52:34
informe o texto

Notícias / Cancelados pela covid-19

21/03/2021 às 07:56

Entenda como a pandemia impactou na violência doméstica e no abuso infantil

Um aumento no crime de feminícidio e a redução das denúncias nos abusos são algumas das consequências deste um ano de pandemia

Luzia Araújo

Entenda como a pandemia impactou na violência doméstica e no abuso infantil

Foto: Marcos Santos/USP

“Você é inútil, não limpa a casa”. “Você não prestava nem para lavar roupa”. “Você é louca”. Essas foram algumas das frases que Rosangela* (nome fictício) ouviu do marido durante os seis anos de um casamento com violência física e psicológica. “Ele puxava o meu cabelo, apertava o meu rosto contra a parede, torcia o meu braço, puxava a minha orelha e quando me bateu de ficar marcas foi o dia que falei que iria sair de casa”.     

A paixão entre a funcionária pública e o agressor foi avassaladora. Com três semanas juntos, o homem quis casar com ela. Rosangela aceitou a proposta e o casal comprou uma casa em Várzea Grande, onde passaram a morar juntos. O que ela não esperava era que o amor iria se transformar em dor, logo em seguida. 

Depois de alguns meses morando juntos, o marido de Rosangela passou a implicar com o seu serviço e pediu para a esposa deixar o trabalho. A funcionária pública começou a sofrer calada com a mudança de comportamento do esposo e ao desabafar com as colegas do trabalho ouviu que tudo era normal e que ele estava apenas com ciúmes. 

Mas, com o passar do tempo, a relação entre o casal foi piorando e as discussões passaram a ser acompanhadas de murros na parede e humilhações. “Você é inútil, não limpa a casa. Você não prestava nem para lavar roupa”, ouviu Rosângela do marido.   

Tempo depois, as brigas começaram a ter as agressões físicas, além da violência psicológica. A funcionária pública foi agredida três vezes pelo marido. Em uma delas, a mulher estava gestante de cinco meses e levou lapadas com a mangueira da ducha do chuveiro. “Tudo era motivo para eu ficar de castigo ou apanhar”. 

A tortura não parou nem depois que a mulher teve o filho do casal. Depois de dar à luz, Rosângela sofreu com rachaduras na mama e foi aconselhada pelo médico a parar de amamentar para não dar sangue ao filho. Mas, a medida não foi bem aceita pelo esposo. “Você não presta nem para dar de mamar. Já pensou se não tivesse leite em pó? Meu filho iria morrer”, disse o homem.  

Cansada de sofrer, Rosangela teve coragem de terminar o casamento e procurar ajuda no Poder Público e na Ong Lírios, que acolhe mulher vítimas de violência doméstica. Assim como a funcionária pública outras mulheres sofreram com a violência durante a pandemia do coronavírus.

Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Mato Grosso mostram que os homicídios dolosos com vítimas femininas caíram de janeiro a dezembro do ano passado, se comparado ao mesmo período de 2019. 

Entretando, os crimes de feminicídios, que É o homicídio praticado contra a mulher em decorrência do fato de ela ser mulher, aumentaram 65%. O levantamento aponta que 65 mulheres morreram em Mato Grosso, de janeiro a dezembro de 2020. Já em 2019, foram registrados 39 casos. 
  
Para Rosana Leite Antunes de Barros, defensora pública e coordenadora Núcleo de Defensa da Mulher, o crescimento do feminicídio está ligado ao período de isolamento social enfrentado pela população durante a pandemia.  Além disso, a especialista classificou a situação como preocupante, já que, segundo ela, outros crimes menores antecedentes o feminicídio e eles foram subnotificados. 

“Tivemos um aumento da violência contra a mulher durante o isolamento social. Esse aumento foi visível quando vimos a estatística de aumento dos feminicídios. Se houve crescimento desse crime é claro que tivemos um aumento da violência, mas que foi subnotificada, o que nos preocupa. Sabemos que os feminicidios são delitos anunciados e que acontecem precedidos de outros crimes menores. Então, a mulher precisa se enxergar como vítima e procurar o poder público para que possamos ajudá-la a sair do ciclo da violência doméstica e familiar”. 

Um dado alarmante sobre este triste cenário é que 79% das vítimas de feminicídios não possuíam registros anteriores de violência doméstica, ou seja, nunca tinham feito boletim de ocorrência contra o agressor. Conforme o estudo divulgado pela Superintendência de Observatório de Segurança Pública, em 74% dos casos, o local do assassinato foi dentro da própria residência. 

Para a juíza da 2ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra Mulher da capital, Tatiane Colombo, a melhor forma para combater a violência e salvar vidas é a denúncia.  

“Precisamos aprender a fazer uso de uma ferramenta muito importante que é a denúncia, porque a violência cresceu e, muitas vezes, as pessoas que são vítimas, até por conta da pandemia, não denunciam, porque não tem para onde ir ou não sabe o que fazer. Nós, que trabalhamos no combate a violência contra a mulher, estamos à disposição delas”. 

Violência infantil

Enquanto as Forças de Segurança registraram um aumento na violência contra a mulher na pandemia, alguns crimes envolvendo crianças e adolescentes caíram no último ano. 

Dentre as principais ocorrências envolvendo vítima menor de 18 anos, o crime de lesão corporal teve uma redução de 26% nos casos, seguido por ameaça (30%), estupro de vulnerável (21%) e assédio sexual (13%). Por outro lado, o crime de importunação sexual aumentou 19%. Os casos de corrupção de menor cresceram, passando de 533 em 2019 para 657 no ano passado. Os dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública. 

A assistente social, Leila Chaban, explicou que a redução nos números de ocorrências não significa que a violência contra a criança e adolescente acabou e que isso pode estar ligado a suspensão das aulas presenciais.

“A escola é um local de sociabilidade, onde os profissionais costumam identificar os casos de abuso, através dos comportamentos que a vítima demonstra. Sabemos que nem todos os profissionais identificam isso, então é preciso qualifica-los para que eles consigam identificar e acionar a Justiça. O abuso sexual sempre impactou a vida da criança e do adolescente, principalmente, no ambiente familiar. Agora, no contexto da pandemia, isso foi muito mais impactante pelo fato da criança estar mais tempo em casa, onde é o local que ela é mais violentada”. 

Já a delegada Mariell Antonini Dias, da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher Criança e Idoso de Várzea Grande, disse que apesar das crianças estarem fora da sala de aula, elas desenvolvem confiança por determinada pessoa da família, babá ou amiguinhos e acabam falando o que estão sofrendo. 

Mariell explicou ainda que existem muitas denúncias nas quais as mães não acreditam nos relatos da filha, quando o agressor da violência sexual é o padrasto. Por isso, ela ressaltou que os pais devem levar em consideração que os filhos falam e adotar medidas enérgicas.

“A criança não tem motivo para mentir. Então, se ela relatar um crime de violência sexual, os pais precisam levar em consideração e adotar medidas, caso isso seja levado ao seu conhecimento”.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet