Cuiabá, terça-feira, 13/04/2021
13:18:05
informe o texto

Notícias / Judiciário

31/03/2021 às 16:04

MP contesta lista de atividades essenciais em Cuiabá e pede suspensão de artigo

órgão argumenta que Emanuel Pinheiro incluiu atividades essenciais que não estão elencadas no decreto federal

Leiagora

MP contesta lista de atividades essenciais em Cuiabá e pede suspensão de artigo

Foto: MPMT

O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) pediu a suspensão do artigo 3º do Decreto Municipal de Cuiabá 8.372/21, que trata das atividades essenciais autorizadas no período de quarentena. O órgão argumenta que o prefeito da Capital, Emanuel Pinheiro (MDB), incluiu atividades essenciais que não estão elencadas no Decreto Federal 10.282/2020. 

O pedido consta em Reclamação protocolada nesta quarta-feira (31) junto ao Tribunal de Justiça. “A presente Reclamação funda-se no elastecimento indevido do termo 'atividades essenciais' prescrito pelos Decretos Estadual e Federal. Em especial, combate-se o termo 'atividades econômicas do comércio em geral, varejista e atacadista' e 'atividades de prestação de serviços em geral' do Decreto Municipal ora questionado”, destacou o procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira. 


"A edição do Decreto do chefe do executivo municipal, neste quadro contextual, no qual o Estado de Mato Grosso atinge números gritantes de contaminação e óbitos pelo Coronavírus, vai na contramão do senso de preservação de vidas e saúde", declarou o chefe do MP.

Leia também - Prefeito anuncia quarentena com suspensão de aulas, mas libera 56 'atividades essenciais'

De acordo com o procurador-geral, o Governo de Mato Grosso não discriminou no Decreto Estadual quais são as atividades essenciais, motivo pelo qual aplica-se o Decreto Federal nº 10.282, de 20 de março de 2020. O referido ato normativo, segundo o MP, não autoriza o funcionamento do comércio em geral. 

Ele explica que, no que se refere ao assunto, o Decreto Federal autoriza somente atividades de produção, distribuição, comercialização e entrega relacionados a produtos de saúde, higiene, limpeza, alimentos, bebidas e materiais de construção; atividades de comércio de bens e serviços destinadas a assegurar o transporte e as atividades logísticas de todos os tipos de carga e de pessoas em rodovias e estradas. 

“O Gestor Municipal de Cuiabá entendeu por bem autorizar as atividades econômicas do comércio em geral, varejista e atacadista, limitando-as apenas quanto ao horário de funcionamento, ignorando completamente que o Decreto Federal assim não o faz”, acrescentou Borges. 

O procurador-geral de Justiça voltou a enfatizar “que no enfrentamento de uma pandemia, não podem ser considerados isoladamente os interesses particulares deste ou daquele Município, visto que o objetivo da imposição de medidas restritivas transcende os interesses locais, de forma que compete à Municipalidade, se o caso, endurecer as medidas impostas pelo Governo Estadual, mas jamais afrouxá-las”. 

 
Do MPMT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet