Cuiabá, terça-feira, 13/04/2021
13:27:12
informe o texto

Notícias / Judiciário

04/04/2021 às 14:00

Verba indenizatória de R$ 25 mil para Emanuel Pinheiro é inconstitucional, decide TJ

Segundo o MPE, VI do prefeito corresponde a 105% do salário, enquanto a do vice-prefeito é de 100%

Camilla Zeni

Verba indenizatória de R$ 25 mil para Emanuel Pinheiro é inconstitucional, decide TJ

Foto: Assessoria

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) declarou inconstitucional o pagamento de verba indenizatória para o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), e o vice-prefeito, José Roberto Stopa (PV), regulamentado pelas leis nº 5.653/2013 e 6.497/19.

No julgamento, os desembargadores seguiram voto do relator, Juvenal Pereira da Silva, que já tinha concedido uma liminar em outubro de 2020, a pedido do Ministério Público do Estado (MPE), para suspender o pagamento. 

Juvenal Pereira destacou que a questão não é nova e já foi alvo de outras ações, sendo que, em todos os casos, a conclusão foi a mesma, no sentido de que as leis violam os princípios constitucionais da publicidade, da moralidade e da finalidade administrativa do pagamento da verba de gabinete. 

O desembargador citou o limite de 60% da remuneração do agente público para a verba indenizatória e destacou que, segundo apontou o MPE, a finalidade da VI da Prefeitura é apenas "atender as despesas decorrentes do exercício do cargo", de forma vaga e genérica. 

Outro ponto destacado foi que, na ação, a Procuradoria-Geral do Município defendeu o pagamento da VI, ponderando que a verba facilitou a fiscalização, mas, na visão do magistrado, isso não aconteceu. 

"[...] É justamente o contrário, na medida em que não se previu nem a causa nem qualquer mecanismo de controle e prestação de contas por parte dos beneficiários da verba indenizatória", explicou Juvenal ao votar pela inconstitucionalidade da lei.

VI de duas vezes o salário

Ao questionar as leis na Justiça, o chefe do MPE, procurador-geral José Antônio Borges Pereira, pontuou que os pagamentos se dão genericamente, “pelo simples fato dos beneficiários ocuparem os cargos de prefeito e vice-prefeito", e que as leis questionadas ofendem o princípio da moralidade administrativa, porque seriam um "modo disfarçado" de uma extensão remuneratória.

Conforme as legislações, o prefeito Emanuel Pinheiro teria direito a R$ 25 mil em indenização para atender demandas do cargo, sendo que, para a mesma finalidade, é pago outros R$ 15 mil para o vice-prefeito. Segundo o procurador-geral, a verba indenizatória do prefeito chega ser 105% do salário que ele recebe, na ordem de R$ 23,6 mil, enquanto, no caso do vice-prefeito, é 100% do salário. 

A nova decisão foi tomada em julgamento no dia 18 de março.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet