Cuiabá, quarta-feira, 12/05/2021
01:03:28
informe o texto

Notícias / Política

09/04/2021 às 07:00

Prefeito nega candidatura ao governo e diz que Mendes tem obrigação de fazer por Cuiabá

Para Emanuel, não existe briga, mas uma divergência de opinião entre ambos, que acaba sendo fomentada por agentes políticos

Kamila Arruda

Prefeito nega candidatura ao governo e diz que Mendes tem obrigação de fazer por Cuiabá

Foto: Davi Valle

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) garantiu que não é candidato ao Governo do Estado no pleito do ano que vem, e pediu para que os agentes políticos do Estado parem de fomentar a desavença entre ele e o governador Mauro Mendes (DEM). 

O emedebista afirma que o que há com o chefe do Executivo Estadual é apenas divergência de opiniões. “Não sou candidato a nada, não sou candidato a governador. Quero encerrar um ciclo em Cuiabá para que fique conhecido como a ‘Era Emanuel Pinheiro’, um ciclo de humanização, de melhorar a vida das pessoas, que deu um boom de crescimento na cidade”, disse.

Em entrevista à Jovem Pan na manhã desta terça-feira (6), o prefeito fez um verdadeiro desabafo, e ameaçou parar de dar declarações, caso continue polemizando a sua relação com o Governo do Estado.

“Tudo que eu falo, o Emanuel está batendo no Mauro, Emanuel não sei o que. Tem que acabar com essa briga, para com isso, não sou eu que estou brincando. Eu não posso dar opinião mais? Porque quando eu opino falam que eu estou brigando. A falta de maturidade não está aqui não, está do outro lado”, ironizou.

Apesar disso, o emedebista não deixa de criticar a condução do governador no que diz respeito ao enfrentamento à covid-19. “Estão perdidos, imaturos, irresponsáveis, que ficam me agredindo o tempo inteiro. Deixa a minha opinião isenta. Não estou preocupado se estou agradando fulano ou cicrano, eu quero agradar a população, eu quero agradar aqueles que querem trabalhar com segurança e precisam trabalhar”, colocou Pinheiro fazendo referência, principalmente ao toque de recolher determinado por Mendes de 21h às 5h.

“O toque de recolher às 21h atendeu a um capricho pessoal de quem está perdido no enfrentamento à pandemia. Se fizesse de 23h às 5h, nós mudaríamos muito pouco o comportamento do vírus, e daríamos uma condições ao setor produtivo que trabalham à noite. Essa opinião eu tenho que dar. Então quero pedir, parem com essa chatice, porque se não vocês vão estar me inibindo de falar”, completou.

O chefe do Executivo Municipal afirma que essa situação tem o irritado, e garante que o fato de ter uma opinião contrária a do governador não tem prejudicado Cuiabá.

“Eu não brigo com ninguém, eu brigo por Cuiabá. Entendam que opiniões diferentes não quer dizer brigas.  Agora, o que tem me irritado muito é que eu não posso abrir a boca que vem os falsos puritanos, dizendo olha não pode fazer isso, essa briga com o governo do estado vai prejudicar Cuiabá. Não vai prejudicar nada, não prejudicou, ele tem compromisso com Cuiabá, ele vai fazer, tem que fazer e vai ser cobrado. É obrigação fazer, até porque foi prefeito daqui, não precisa estar de braço dado com o prefeito para fazer”, finalizou.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet