Cuiabá, quinta-feira, 13/05/2021
01:06:14
informe o texto

Notícias / Entrevista da Semana

11/04/2021 às 08:00

302 anos de Cuiabá: Emanuel fala dos desafios, vacinação e entrega de obras inacabadas

O prefeito defendeu retorno das aulas, vacinação para professores e a polêmica sobre a construção do BRT na capital

Kamila Arruda

302 anos de Cuiabá: Emanuel fala dos desafios, vacinação e entrega de obras inacabadas

Foto: Davi Valle

Cuiabá completou 302 anos no dia 8 de abril e o Leiagora pediu para o prefeito da capital, Emanuel Pinheiro (MDB), falar sobre os desafios que tem enfrentado, quais são os projetos, como administrar em meio uma pandemia, os investimentos para saúde e educação, além claro, da polêmica sobre a construção do BRT ou VLT. 

Emanuel defendeu a vacinação em massa, mesmo sem previsão da aquisição  de novas doses por parte da prefeitura, apoiou o movimento que quer inserir os professores no grupo prioritário e também falou sobre a previsão de entrega de obras que ficaram inacabadas ainda da primeira gestão. 

Confira a íntegra da entrevista 


Leiagora - Prefeito, Cuiabá completou 302 anos, o que senhor esperava e não foi possível realizar?
 
Emanuel - O que eu esperara era os inúmeros desafios mesmo, de uma cidade pujante, desenvolvida e emergente como Cuiabá, que tem ainda grandes discrepâncias sociais, e que precisa ter uma gestão mais presente das pessoas, mais estratégica com mais sensibilidade. Recebemos uma cidade sem planejamento adequado para o futuro e tivemos que, pelo menos nesse aspecto de planejamento de desenvolvimento urbano e econômico, iniciar do zero um projeto para os próximos 30 anos. Essa é uma meta nossa de deixar como legado para a cidade.
 
Do que eu não esperava era a pandemia, que me surpreendeu, e creio que surpreendeu os gestores do mundo inteiro, pois nenhum de nós estávamos preparados para a pandemia. Ninguém tinha em seu plano de governo o enfrentamento à maior crise sanitária da história. Mas com muito amor por Cuiabá e com o apoio da nossa equipe e da população cuiabana, apesar das perdas e dos traumas, estamos avançando e vamos imunizar a população e conseguir vacinas para todos e vencer essa pandemia. 
 
Leiagora - A pandemia já completou um ano e agora o desafio é garantir a vacinação da população. Como tem sido administrar Cuiabá neste um ano, qual foi o maior desafio?
 
Emanuel - Primeiramente a gente faz o que gosta. Então, eu sou uma pessoa de bem com a vida, tenho orgulho da terra que eu nasci e a cada dia agradeço a Deus por ter me dado essa oportunidade de ser eleito e reeleito prefeito dessa terra, dirigindo os destinos de uma capital tão emergente de nosso pais.
 
Segundo, eu sou uma pessoa do bem otimista, acredito em Cuiabá e no povo cuiabano e tenho essa missão, de levar a nossa cidade para o ponto seguro, rumo ao progresso e ao desenvolvimento, a inclusão e justiça sociais, e agora mais do que nunca, ao enfrentamento à maior crise sanitária da história.
 
Em terceiro vem a minha fé inabalável em Deus, como todo cuiabano sou um homem devoto e sempre recorro às bênçãos de nosso santo padroeiro Bom Jesus de Cuiabá.
 
Cuiabá não pode parar e não vai parar. Cuiabá é uma cidade talhada ao sucesso, a nossa população merece tudo de bom e do melhor. Nós definimos uma prioridade única que é o combate, a guerra à pandemia, e temos uma prioridade das prioridades que é vacinar toda a população cuiabana. Essa é a arma eficaz para vencer essa guerra. Mas enquanto isso não acontece, com segurança e responsabilidade, respeitando as medidas de biossegurança, temos que seguir adiante, porque Cuiabá não pode parar.
 
E agora nesse período de aniversário de Cuiabá, devemos entregar até o final do mês o viaduto Murilo Domingos na Avenida Beira Rio, o segundo viaduto entregue exclusivamente com recursos da Prefeitura de Cuiabá. O primeiro foi entregue por mim também, o viaduto Juca do Guaraná (pai) na Avenida das Torres. 
 
Vamos entregar o viaduto, vamos entregar o Dutrinha, vamos avançar nas obras do Mercado do Porto e esse ano ainda, entrego totalmente requalificado o símbolo, o ícone da nossa cultura, que é o Mercado do Porto.
 
Vamos entregar novas praças revitalizadas para o embelezamento da cidade e qualidade de vida da população. Uma das próximas a ser entregue é a tradicionalíssima praça do Cai Cai, que é uma praça histórica da nossa cidade, que foi revitalizada respeitando toda sua história.
 
Vamos entregar também inúmeros bairros asfaltados como o sol nascente, El Dourado, João Bosco Pinheiro, Jardim Paliceia e São João Del Rey. Todas essas obras e as demais que estão sendo feitas ou serão feitas só foram possíveis porque eu tenho o apoio político da Câmara de Cuiabá. 
 
Quero agradecer ao nosso presidente Juca do Guaraná, ao nosso líder Marcrean e vice-líder Kassio Coelho. Tenho o apoio da Assembleia Legislativa e agradeço a parceria do deputado Max Russi, e tenho o apoio da bancada federal, o senadores Jayme e Wellington, o deputado Carlos Bezerra, mas principalmente o deputado federal Emanuelzinho, que tem arrumado muitos recursos para Cuiabá, especialmente na área da saúde, e ajudado a combater a pandemia.

Com esses recursos federais eu evito tirar dinheiro da fonte 100, e posso investir em uma melhor qualidade de vida dos cuiabanos: c
omo o Contorno Leste e o HMC, que foi o legado da minha primeira gestão.

Agora, o Contorno Leste é a menina dos olhos de ouro da minha segunda gestão, dentre tantas outras que vou entregar à população cuiabana. O Contorno Leste é uma obra que vai virar a página da nossa cidade, em padrão de obra estruturante, de solução de transito, de mobilidade urbana, de desenvolvimento econômico e social, de explosão de uma região desconectada do restante da cidade. Vai beneficiar mais de 50 bairros, mas de 150 mil pessoas e vai interligar uma região esquecida de Cuiabá, valorizando não só a questão imobiliária, mas uma valorização na vida das pessoas.
 
Leiagora - Na área as saúde, quais serão os investimentos?
 
Emanuel - Neste ano, até julho, estou entregando a UPA Leblon. Estamos caprichando nela, e vai ser a segunda UPA que entrego durante minha gestão, e a quarta UPA de Cuiabá. Com isso, a nossa população fica em uma situação privilegiada no que tange a cobertura secundária.
 
Vamos entregar a Unidade Básica de Saúde do Jardim Imperial II, a Unidade Básica de Saúde do CPA IV, a Unidade Básica de Saúde do Nico Baracat. Essas são as obras que serão entregues de imediato. Daqui até julho todas essas serão entregues, e temos tantas outras que estamos fazendo e iremos dar sequência a essas obras, como por exemplo as Unidades Básicas de Saúde do Real Parque, Jardim Passaredo, Drº Fábio e Umuarama.
 
Leiagora - Um dos assuntos debatidos durante a campanha foi o déficit de vagas nas creches. E na área da educação, quais foram os investimentos?
 
Emanuel - Estamos adiantando, acelerando a criação de, pelo menos, mais cinco Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI's), abrindo aí, no mínimo, cerca de 1,2 mil vagas na educação infantil, diminuindo assim a demanda que é muito grande e aumentando a oferta que era baixa. 
 
Estamos também avançando nos Centros Educacionais Infantis Cuiabanos (Ceics). Queremos entregar nos próximos dois anos, no mínimo, 10 Ceics para a nossa cidade. É bom ressaltar que, mesmo com a suspensão das aulas presenciais por conta da pandemia, nós não suspendemos a merenda escolar.

É bom frisar também que, as aulas presenciais foram suspensas, mas o ensino e aprendizagem no município não foram suspensos, as aulas remotas continuam, e com a graça de Deus, caindo a incidência da Covid-19, em maio iniciaremos as aulas de forma hibrida.
 
Leiagora – Qual a sua opinião sobre o projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa, o qual visa incluir a educação no rol de atividades essenciais do Estado?
 
Emanuel - Eu já defendia no meu decreto de 02 março, antes de sofrermos toda esse atropelamento dos decretos do governo do Estado. Nesse decreto eu já tinha autorizado a volta as aulas com segurança, e que estava sendo exemplo tanto na rede pública quando na rede privada de ensino. Sou a favor da volta as aulas com segurança total, seguindo todas as normas de biossegurança.

Quando estava funcionando estava indo bem. Em fevereiro estavam sendo feitas aulas remotas, em março o ensino privado em aulas hibridas com 50% da capacidade da sala de aula, estava um sucesso absoluto, e a rede pública a partir de 3 de maio aulas hibridas. Ai veio os decretos a suspensão das aulas, mas eu sou a favor de que as aulas voltem com segurança.
 
Leiagora - Algumas escolas não estão preparadas para o retorno das aulas. O Sintep é totalmente contra a volta às aulas. Como o senhor está se preparando para isso?
 
Emanuel - Sou solidário à preocupação do Sintep, mas acho que a gente pode ajudar a solucionar essa situação colocando os profissionais da educação como grupo prioritário da vacinação. Agora, que se promete ampliar a entrega com uma número significativo de doses por semana para os municípios, eu acho que ao lado dos garis, com a força de segurança, trabalhadores do transporte coletivo, mais do que nunca devem ser prioritários. Então, eu defendo que esse movimento ganhe força até para que possamos voltar as aulas.
 
Leiagora – O senhor era deputado na época da discussão sobre o VLT. Por que, o senhor acredita, este modal não foi concluído? E o senhor ainda acredita que Cuiabá ainda vai ter este modal? Se sim, em quantos anos?
 
Emanuel - Decisão política, quando quer o gestor faz. Eu cheguei aqui, o pronto-socorro era um esqueleto a céu aberto, com 15% do esqueleto erguido e transformei no maior hospital do Estado de Mato Grosso. Está lá, referência nacional. 
 
A UPA Verdão nem esqueleto era, está lá, foi entregue. Daqui dois meses entrego a UPA Leblon. O Nico Baracat estava parado, coloquei recurso da Prefeitura, sem ser responsabilidade nossa, quase R$ 5 milhões e concluímos a obra e hoje atendemos 1,6 mil famílias.
 
O asfalto do Jardim Vitória, Jardim União e Jardim Florianópolis estavam paralisadas há oito anos quando assumi a gestão. Eram obras da gestão anterior no programa PAC. Eram obras abandonas, eu assumi o compromisso e está lá.
 
Está faltando decisão política e competência para terminar as obras do VLT. Foram mais de 1 bilhão investidos nessa obra já, rasgaram Cuiabá e Várzea Grande. 
 
O que eu quero agora é que se ouça a população. A proposta do deputado federal Emanuelzinho é perfeita, o plebiscito. Chegou em um patamar que depois de tanto recurso público gasto, uma obra abandonada, judicializou de tudo quanto é jeito. Então, o governador sozinho não tem autoridade nem legitimidade de resolver, só a população que tem a autoridade de dizer o destino dessa obra.
 
Eu sou a favor do VLT, mas já que querem mudar, que ouçam a população cuiabana.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet