Cuiabá, segunda-feira, 17/05/2021
19:18:31
informe o texto

Notícias / Política

12/04/2021 às 07:00

AL tem consenso para tornar profissionais da educação prioritários na fila de vacinação

Segundo deputado, projeto que torna a educação essencial abre portas para priorização de professores

Camilla Zeni

AL tem consenso para tornar profissionais da educação prioritários na fila de vacinação

Foto: Sumaia Villela/Agência Brasil

O início da vacinação dos agentes da Segurança Pública e a análise da proposta para tornar a educação uma atividade essencial em Mato Grosso podem acelerar a votação de um projeto de lei para que os servidores da Educação sejam prioridade na fila de vacinação contra a covid-19. 

De acordo com o deputado Paulo Araújo (Progressistas), a aprovação da proposta na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) é tendência, uma vez que os deputados formam consenso sobre o tema. 

“Nós estamos no período de início das atividades escolares. Então, se estamos discutindo volta às aulas, como é que não vamos discutir que a educação seja prioridade na vacinação? É igual ao da Segurança Pública”, comentou o parlamentar com a reportagem.


O deputado estadual Thiago Silva (MBD) usou argumento semelhante na semana passada, ao cobrar a priorização dos professores. “Precisamos dialogar e olhar para toda comunidade escolar, seja professor, diretor, alunos, pais, inspetores e coordenadores, pois infelizmente o aumento de casos covid-19 é preocupante em nosso Estado. A vacina tem que ser prioridade aos profissionais da educação”, disse.

Na Assembleia Legislativa, conforme o Leiagora revelou, pelo menos duas propostas exclusivas foram apresentadas com a intenção de tornar os trabalhadores da educação prioridade na vacinação. Um dos projetos de lei, de autoria do deputado Valdir Barranco (PT), porém, já foi rejeitado na Comissão de Saúde. O segundo projeto, do deputado Wilson Santos (PSBD), ainda não foi analisado. Nenhum dos dois foi colocado para votação em plenário até o momento. 

Conforme Paulo Araújo, mesmo o parecer contrário da Comissão de Saúde deve ser rejeitado no plenário. Isso porque, segundo ele, há um consenso entre os deputados para a aprovação desta proposta. O movimento ganhou força nessa semana, depois que os agentes da Segurança Pública começaram a ser vacinados, por determinação do Governo Federal. 

O deputado também avaliou que a prioridade dos profissionais da educação deve ser feita independentemente da análise da Assembleia Legislativa, em um movimento nacional. 

“A competência para legislar sobre prioridades é do Governo Federal. O governo estadual incluiu a Segurança Pública porque o Bolsonaro incluiu no decreto. Eu acho que a tendência natural, até pelo fato de estarmos discutindo a volta às aulas, é que a educação seja incluída como prioridade a nível de Brasil”, disse. 

O secretário de Estado de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, também avaliou, nesta semana, que caberá ao Governo Federal fazer a inclusão de novos grupos prioritários. Isso porque, segundo ele, o governo estadual recebe os imunizantes contra a covid-19 com base no público-alvo da vacinação. Assim como foram enviadas doses extras para os agentes da Segurança Pública, a medida deverá ocorrer para a vacinação dos professores. 

“Não é falta de leis estaduais, é falta de dose. Acho pouco provável que essa iniciativa vai lograr êxito, porque existe um quantitativo de vacinas disponível no país e existe um plano nacional aprovado. Se cada estado resolver aprovar um plano, não vai haver vacina. Por isso acho que não vai gerar nenhuma efetividade”, disse o secretário. 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet