Cuiabá, terça-feira, 11/05/2021
23:59:12
informe o texto

Notícias / Geral

12/04/2021 às 13:40

Mãe contou a médica que menino Henry tremia e vomitava ao ver Jairinho

Prima de Monique, mãe de Henry, a pediatra respondeu que o comportamento do garotinho era 'normal'

Metrópoles

Mãe contou a médica que menino Henry tremia e vomitava ao ver Jairinho

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Mais de uma semana após ficar sabendo que o companheiro, Jairinho, agredia Henry, Monique Medeiros procurou uma prima que é pediatra e revelou que, ao ver o padrasto, o garoto tremia e vomitava.

A conversa foi recuperada do celular de Monique, pela Polícia Civil, e consta no inquérito que investiga a morte de Henry.

Obtido com exclusividade pelo jornal Extra, o diálogo virtual revelou que seis dias após a agressão sofrida por Henry, no dia 12 de fevereiro, e relatada em tempo real pela babá Thayná de Oliveira Ferreira, Monique procurou a prima para pedir orientações sobre o comportamento do filho.

Segundo a mãe do menino, ele tinha “medo excessivo de tudo” e vomitava e tremia quando via Jairinho. Relatou ainda que deu início ao tratamento psiquiátrico de Henry.

“Iniciei com a psicóloga. Fizemos duas sessões, uma por semana. Você acha que preciso procurar um neuro, psiquiatra, fazer mais sessões por semana? Tem sido muito sofrido para todos nós”, escreveu.

Identificada apenas como Renata, a prima da acusada respondeu: “Acho que agora no início poderia ser duas vezes por semana. Neuro e psiquiatra, não. Infelizmente, isso é comum”, explicou na conversa.

Veja o diálogo completo:

Monique: Prima, boa tarde

Monique: “Henry está com medo excessivo de tudo, tem um medo intenso de perder os avós, está tendo um sofrimento significativo e prejuízos importantes nas relações sociais, influenciando no rendimento escolar e na dinâmica familiar. Disse até que queria que eu fosse pro céu pra morar com meus pais, em Bangu. Quando vê o Jairinho ele chegar a vomitar e tremer . Diz que está com sono, que quer dormir e não olha pra ele. Nunca dormiu sozinho, mas antes ficava no quarto esperando irmos ao banheiro ou levar um lanche, agora se recusa a ficar sozinho, não tem apetite, está sempre prostrado, olhando pra baixo, noites inquietas com muitos pesadelos e acordando o tempo inteiro. Chora o dia todo. Iniciei com a psicóloga.

Monique: Fizemos duas sessões, uma por semana. Você acha que preciso procurar um neuro, psiquiatra, fazer mais sessões por semana? Tem sido muito sofrido para todos nós”

Renata Pediatra: “Acho que agora no início poderia ser duas vezes por semana. Neuro e psiquiatra, não.”

Monique: Tá bom prima

Renata Pediatra: “Infelizmente isso é comum.”

Monique: Obrigada

Entenda o caso

Henry Borel Medeiros morreu no dia 8 de março, ao dar entrada em um hospital da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Segundo o pai do garotinho, Leniel Borel, ele e o filho passaram, normalmente, o fim de semana juntos.

Por volta das 19h do dia 7, o engenheiro o levou de volta para a casa da mãe do menino, Monique Medeiros da Costa e Silva de Almeida. Ela mora com o vereador e médico Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade).

Ainda segundo o pai de Henry, por volta das 4h30 do dia 8, ele recebeu uma ligação de Monique falando que estava levando o filho para o hospital, porque o menino apresentava dificuldades para respirar.

Leniel afirma que viu os médicos tentando reanimar o pequeno Henry, sem sucesso. O garotinho morreu às 5h42, conforme registro policial registrado pelo pai da criança.

Segundo depoimentos prestados por Monique e Jairinho na 16ª DP, eles assistiam a uma série na televisão, quando, por volta das 3h30, encontraram Henry caído no chão, com mãos e pés gelados e olhos revirados. Ambos alegam acidente doméstico.

Laudo mostra lesões graves

O laudo de exame de necropsia no corpo de Henry foi o principal ponto de partida para a investigação sobre a morte do menino de 4 anos. Assinado pelo perito Leonardo Huber Tauil do Instituto Médico-Legal (IML), o documento, ao qual o Metrópoles teve acesso, revela que o garoto morreu por hemorragia interna, laceração hepática por ação contundente, como socos e pontapés.

Foram identificadas múltiplas lesões nos rins, pulmões, nas costas e na cabeça. Depois de ouvir 17 testemunhas, a Polícia Civil do Rio de Janeiro conta ainda com uma força-tarefa com peritos que ainda está debruçada em analisar 11 celulares e três computadores, apreendidos no último dia 26, de Monique, Jairinho e do pai de Henry, Leniel Borel. Investigadores tentam recuperar mensagens apagadas dos celulares do casal, que teriam sido apagadas na noite da morte da criança.

A mãe do menino, Monique Medeiros, foram presos pela Polícia Civil do Rio de Janeiro na manhã de quinta-feira (8/4). Para os investigadores da 16ª DP (Barra da Tijuca), a criança foi assassinada.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet