Cuiabá, sexta-feira, 14/05/2021
19:40:53
informe o texto

Notícias / Judiciário

12/04/2021 às 15:25

Justiça bloqueia quase R$ 15 milhões de Sérgio Ricardo e Savi por esquema das gráficas

Na ALMT, gráficas eram usadas para desvio de dinheiro público tendo que devolver até 80% dos valores recebidos em licitações

Camilla Zeni

Justiça bloqueia quase R$ 15 milhões de Sérgio Ricardo e Savi por esquema das gráficas

Foto: ALMT

O juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, determinou o bloqueio de quase R$ 15 milhões das contas do conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado Sérgio Ricardo, e do ex-deputado estadual Mauro Savi, por esquema na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

As decisões levam em consideração pedidos em duas ações civis públicas propostas pelo Ministério Público Estadual (MPE) contra a "máfia das gráficas" - esquema de desvio de dinheiro público envolvendo fraudes em licitação para materiais gráficos. 

Em uma das ações, além de Mauro Savi e Sérgio Ricardo, também foram denunciados Luiz Marcio Bastos Pommot, Jorge Luiz Martins Defanti, Leonir Rodrigues da Silva e a Editora de Guias de Mato Grosso Ltda. Na outra, além dos dois políticos, são réus Luiz Pommot, Jorge Luiz Defanti, Hélio Resende Pereira e a W.M Comunicação Visual Ltda-ME.

Conforme as denúncias movidas contra os réus e a WM Comunicação Visual, a empresa firmou contrato de R4 1,4 milhão após ganhar licitação quando Savi era o presidente da Assembleia Legislativa, Sérgio Ricardo era o primeiro secretário e ordenador de despesas e Luiz Pommot era secretário de Finanças. 

Segundo a denúncia do MPE, por meio do Pregão Presencial nº 11/2010, a Assembleia firmou a Ata de Registro de Preços nº 11/2010 para compra de 3,7 milhões de exemplares de cartilhas, livros, livretos e revistas, 2,1 milhões de jornais, 659,2 mil panfletos, 412 mil convites, 521,5 mil envelopes e 2 mil capas de procedimento de licitação. 

Ao todo, o MPE apontou prejuízo de R$ 20.042.030,68 aos cofres públicos, mas pediu o ressarcimento de dano calculado em R$ 4.155.288,12 em relação a WM Comunicação Visual e em R$ 8.531.848,52 em relação a Editora de Guias Mato Grosso. 

Delações do ex-presidente, José Geraldo Riva, que estava afastado por decisão judicial à época, e do ex-deputado Maksuês Leite, afirmaram que as licitações de materiais gráficos eram para pagamento de mensalinho e outras vantagens ilícitas. As empresas eram obrigadas a devolver de 70% a 80% dos valores recebidos.

Diante dos indícios, o magistrado deferiu o pedido de bloqueio de bens e aumentou o valor ao considerar a multa civil. Ele determinou que sejam indisponibilizados até R$ 5.155.288,12 dos quatro réus comuns e de Hélio Resende Pereira, pelo caso da WM Comunicação Visual, e R$ 9.531.848,58 dos quatro réus e de Leonir Rodrigues da Silva, pelo caso da Editora de Guias Mato Grosso.

As decisões, do dia 31 de março, foram publicadas na última sexta-feira (9).

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet