Cuiabá, sexta-feira, 14/05/2021
18:53:22
informe o texto

Notícias / Judiciário

13/04/2021 às 08:00

Juíza multa ex-chefe da Defensoria condenado por fraude em gastos com viagens

André Prieto entrou com recurso após ser condenado por causar danos aos cofres públicos e a juíza o multou por entender que ele tentava adiar o cumprimento da sentença

Camilla Zeni

Juíza multa ex-chefe da Defensoria condenado por fraude em gastos com viagens

Foto: Defensoria Pública

A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, manteve a condenação do ex-chefe da Defensoria Pública de Mato Grosso, André Luiz Prieto, por improbidade administrativa. Ao negar recurso, ela aplicou multa por entender que o ex-defensor tentava protelar o início da sentença. A decisão foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico dessa segunda-feira (12). 

Conforme a ação, André Prieto foi condenado, em fevereiro deste ano, a ressarcir os cofres públicos em R$ 212,3 mil, e ao pagamento de multa civil de 50% do valor do dano causado aos cofres públicos, acrescidos de juros de 1% ao mês e correção monetária desde a data do caso. 

A condenação se deu em razão de ficar comprovado que ele, quando chefe da Defensoria Pública, pagou por horas de fretamento de voo que nunca aconteceram. O Ministério Público cruzou faturas, orçamento de outras duas empresas e dados do diário de bordo das aeronaves para comprovar que houve dano de R$ 220 mil aos cofres públicos. 

Após ser condenado, Prieto recorreu com um embargos de declaração, tentando sanar possíveis omissões e contradições na decisão condenatória.

Ele alegou que a declaração de perda de função pública, que foi uma das sanções impostas, não se aplicaria a ele, uma vez que ele não responde mais pela Defensoria. Entretanto, a magistrada considerou que o recurso seria uma manobra para adiar o cumprimento da sentença, garantindo que não há qualquer vício a ser sanado.

"Com efeito, pode-se concluir que os embargos de declaração tem apenas caráter protelatório, pois pretendem rediscutir o que foi analisado e decidido, com intuito de modificar o julgamento para prevalecer os fatos e teses que sustentaram", diz trecho da decisão. 

Assim, a juíza negou o recurso e aplicou multa de 1% do valor atualizado da causa a todos os réus embargantes.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet