Cuiabá, quinta-feira, 13/05/2021
01:44:15
informe o texto

Notícias / Esporte

01/05/2021 às 17:50

Palmeiras diminui dívida com patrocinadora para R$ 161 milhões em 2020; veja números

Dados financeiros do último ano mostram redução de valores devidos à Crefisa

Do Globo Esporte

Palmeiras diminui dívida com patrocinadora para R$ 161 milhões em 2020; veja números

Foto: Jales Valquer / Framephoto / Estadão Conteúdo

Embora o Palmeiras tenha tido um déficit de R$ 151 milhões no ano passado, o clube diminuiu a dívida que tem com a Crefisa pela contratação de jogadores. De 2019 para 2020, o valor caiu de R$ 172,1 milhões para R$ 161,3 milhões.

A diminuição ocorreu pelos repasses do clube à empresa após as negociações de Juninho, zagueiro que está no Bahia, Bruno Henrique, vendido ao Al-Ittihad, da Arábia Saudita, e Dudu, emprestado ao Al Duhail, do Catar. Todos foram contratados com aporte da patrocinadora.

Depois dos aditivos nos contratos com a Crefisa, ficou documentado que o Palmeiras seria obrigado a devolver o valor com o acréscimo de juros baseados na taxa de CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

O acordo é o seguinte: caso algum dos jogadores contratados após o aporte seja negociado, o Verdão deve devolver o valor investido com juros ao ser pago pela transferência. Se a quantia for menor que a investida, ou se o atleta deixar o clube ao fim do contrato, o Palmeiras tem dois anos para pagar o que deve à parceira. Um possível lucro fica com o clube.

Destes R$ 161,3 milhões, R$ 6,7 milhões correspondem a valores que serão quitados ao longo de 2021, de acordo com aquilo que o Palmeiras receberá neste ano por vendas de atletas já realizadas. O Al-Ittihad, por exemplo, ainda tem R$ 18,1 milhões a pagar por Bruno Henrique.

Desta forma, a previsão é de que a dívida com a Crefisa continue a diminuir. Caso novas negociações aconteçam, como a compra de Dudu pelo Al Duhail, este valor será ainda mais reduzido.

O Palmeiras já não realiza mais contratações com aportes da Crefisa, que em 2020 pagou R$ 89 milhões pelas cotas de patrocínio do uniforme, conforme dados do balanço alviverde.

O clube, agora, tenta encontrar formas de continuar a diminuir estes débitos, que fazem parte da dívida total alviverde, de R$ 616 milhões.

Borja e Deyverson foram bancados pela financeira e estão emprestados com a expectativa de chamarem a atenção do mercado. Até o momento, porém, não há ofertas de vendas para os centroavantes, e o clube avalia reintegrá-los no segundo semestre.

O contrato entre o Palmeiras e Crefisa é válido até o fim do ano, quando acaba a gestão do presidente Maurício Galiotte. Leila Pereira, conselheira e presidente da empresa, é quem tem mais chances de concorrer à cadeira no clube pela situação. Ela ainda não confirma que será candidata.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet