Cuiabá, terça-feira, 11/05/2021
18:40:07
informe o texto

Notícias / Judiciário

04/05/2021 às 15:49

TJ mantém prisão de homem acusado de assassinar a sogra em Campo Verde

Após desentendimento com a então companheira, suspeito a procurou na casa da sogra, pulou o muro e desferiu sete golpes contra ela, que resultaram em sua morte

Eduarda Fernandes

TJ mantém prisão de homem acusado de assassinar a sogra em Campo Verde

Foto: TJMT

A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso não acolheu os argumentos apresentados em Habeas Corpus e manteve prisão cautelar de Odir Luiz de Oliveira, que é acusado de assassinar a sogra a facadas em Campo Verde (a 141km de Cuiabá). O crime ocorreu em 7 de fevereiro deste ano.
 
Segundo o relator do recurso, desembargador Paulo da Cunha, ficou demonstrada a gravidade anormal da conduta do agente, a reiteração criminosa e a ameaça à ex-companheira após execução da sogra, de modo que a prisão provisória é medida necessária para
garantir a ordem pública. Ainda conforme o magistrado, as circunstâncias do caso impedem a fixação de medidas cautelares diversas da prisão.

Leia também - MT diz ao STF que não usou dinheiro da Lava Jato no combate à covid e pede remanejamento
 
Consta no processo que o réu teve a prisão preventiva decretada diante a suposta prática do crime de homicídio qualificado, tendo como vítima sua sogra (homicídio qualificado – feminicídio). Ao tomar conhecimento do mandado de prisão, ele se apresentou espontaneamente, sendo submetido à audiência de custódia.
 
No HC, a defesa sustentou que a prisão cautelar seria ilegal, visto que não estariam presentes os requisitos da segregação preventiva, pois a apresentação voluntária eliminaria os motivos que ensejaram a decretação da medida. Apontou, ainda, ser possível a substituição da prisão preventiva por cautelares menos onerosas.
 
O crime

Segundo a acusação, o réu mantinha relação de afeto com a filha da vítima, chamada Eliana, há cerca de três anos. No dia do crime, ele e a companheira estiveram juntos, ocasião em que ingeriram bebida alcoólica. Em determinado momento, ela se ausentou para ver a filha e depois retornou ao local onde o namorado estava.

Em razão da demora dela em retornar, o réu ficou irritado, chegando a quebrar um copo no chão e sair do local. A mulher retornou para casa, o que fez o companheiro ficar ainda mais irritado ao voltar o local e não a encontrar ali.
 
No fim da tarde, ele foi até a residência da sogra, onde a namorada morava, portando uma faca. Ao perceber que o portão estava trancado, passou a chamar por ela. A mãe dela se aproximou e pediu para ele ir embora e parar com aquilo, mas ele pulou o portão e adentrou no quintal da residência. A sogra disse que ligaria para a Polícia, mas ele a seguiu até a varanda e desferiu sete golpes, que resultaram em sua morte, por choque hipovolêmico (quando se perde muito sangue). Na sequência, ele fugiu do local.

Enquanto tentava se evadir, Odir chegou a ser contido por terceiras pessoas que estavam nas proximidades, porém ele os ameaçou de morte, de maneira as pessoas ficaram com medo e o soltaram. Depois disso, ele adentrou no seu veículo e empreendeu fuga.
 
"Vê-se, portanto, que o crime foi praticado por motivo fútil, já que o denunciado agiu, de forma extremamente desproporcional à situação, ou seja, por ter ficado irritado com o fato de Eliane ter retornado para casa bem como pelo fato de a ofendida Iracema ter pedido para ele ir embora dali", diz trecho do voto do relator.

Para o desembargador Paulo da Cunha, a imposição da prisão preventiva está devidamente justificativa, como forma de resguardar a ordem pública, por vários aspectos.

Em primeiro lugar diante da reiteração criminosa de Odir, o qual tem histórico de violência doméstica, respondendo outra ação penal na mesma comarca. O segundo ponto é pela periculosidade dele, revelada pela forma de execução do delito, qual seja, com a invasão da residência da sogra, munido de arma branca, desferindo-lhe diversos golpes de faca, inclusive um na garganta.

“E, por fim, a ordem pública também precisa ser tutelada no que se refere à garantia da integridade física da ex-companheira do paciente e filha da vítima, a qual, após a morte da mãe, ainda recebeu ameaças de morte por aplicativo eletrônico”, pontuou.
 
Quanto à apresentação voluntária do suspeito, o relator explicou que tal conduta teria o condão de dissipar apenas a necessidade da prisão cautelar para aplicação da lei penal, não possuindo o mesmo efeito em relação ao abalo à ordem pública.
 
A decisão foi unânime. Acompanharam voto do relator os desembargadores Marcos Machado e Orlando de Almeida Perri.
 
Com informações do TJMT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet