Cuiabá, segunda-feira, 14/06/2021
01:41:48
informe o texto

Notícias / Geral

05/05/2021 às 14:27

Laboratório é condenado a indenizar paciente por falso positivo de HIV

Juiz de Goiânia considerou que 'erro de diagnóstico causou dor, sofrimento, aflição e retardou o tratamento' da mulher

Metrópoles

Laboratório é condenado a indenizar paciente por falso positivo de HIV

Foto: Reprodução Internet

Um laboratório de Goiânia foi condenado a indenizar, em R$ 8 mil por danos morais, uma paciente de 32 anos que recebeu diagnóstico falso positivo de HIV. A decisão é do juiz Leonys Lopes Campos da Silva, da 2ª Vara Cível da comarca da capital.

“O erro de diagnóstico causou dor, sofrimento, aflição e retardou o tratamento, colocando em risco a saúde e a qualidade de vida [da paciente], sendo que as consequências poderiam ser até piores”, escreveu o juiz, na sentença.

A mulher buscou orientação médica para engravidar e, após a coleta de amostra de sangue no Laboratório Santa Clara, recebeu, em 26 de fevereiro de 2020, o resultado de que estava contaminada.

Aflição

Bastante aflita e preocupada, ela entrou em contato imediatamente com a médica responsável pelo seu tratamento, que solicitou a realização de novos exames para confrontação do resultado. Segundo provas apresentadas à Justiça, o novo resultado deu negativo.

No processo, a defesa do laboratório contestou a paciente e defendeu que o pedido de indenização fosse negado pela Justiça, “considerando que o resultado do exame está tecnicamente correto”. O Metrópoles não conseguiu localizar o contato do advogado.

O juiz, porém, entendeu que houve erro no exame do laboratório requerido ou falha na elaboração do documento por ele emitido. De acordo com o magistrado, a mulher provou que, após ter tomado conhecimento do falso diagnóstico, passou por sofrimento íntimo e perturbação emocional.

“Efeitos fatais”

Na avaliação do juiz, o caso dela e todo o contexto de sofrimento “superaram os meros aborrecimentos, visto que se tratava de informação sobre uma doença gravíssima, de efeitos fatais”.

A decisão considerou que o regime de responsabilização dos hospitais, clínicas e demais estabelecimentos de saúde, é previsto no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

A lei estabelece a responsabilidade do fornecedor de serviços pela “reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação de serviços, bem como informações insuficientes, inadequadas sobre sua fruição e riscos”.

Dever de segurança

No conceito de serviços, enquadram-se as atividades dos estabelecimentos de saúde em geral, e os pacientes são os destinatários finais deles. O juiz lembrou que a lei criou, para o fornecedor de serviços, um dever de segurança, ao não permitir que se lance no mercado qualquer serviço com defeito.

O juiz ressaltou ainda que a jurisprudência tem se amparado no CDC. Por isso, segundo ele, é objetiva a responsabilidade civil aplicada aos estabelecimentos hospitalares, na qualidade de prestadores de serviços.

Por esse motivo, de acordo com a decisão, as instituições respondem pelos danos causados a seus pacientes, independentemente da análise de culpa.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet