Cuiabá, sábado, 12/06/2021
19:24:36
informe o texto

Notícias / Judiciário

11/05/2021 às 15:10

Universal e Record pagarão R$ 40 mil em indenização a 'falso curado'

Homem participou do programa 'Cura dos Vícios', da Igreja Universal, e exibido pela TV Record, mas alega que tudo é uma farsa

Metrópoles

Universal e Record pagarão R$ 40 mil em indenização a 'falso curado'

Foto: Reprodução Internet

A Igreja Universal do Reino de Deus deverá pagar R$ 40 mil em indenização ao recepcionista R.C.A., de 39 anos, após ele participar do programa “Cura dos Vícios”. A Justiça de São Paulo também determinou que a Record, onde a atração é exibida, será corresponsável pelo pagamento da indenização.

Segundo o homem, usuário de cocaína, ele foi abordado por dois pastores da igreja em 2018, que, “aproveitando-se de sua fragilidade emocional” lhe induziram a participar do programa. As informações são do Uol.

Em seu relato, R.C.A. alega que percebeu que o programa era uma fraude assim que subiu ao palco e que estava sendo usado “como fantoche em um falso show com a finalidade de arrecadar dízimos”.

Na hora, ele ficou tão constrangido que fingiu que havia sido curado, mas, logo que saiu do palco, disse que não autorizava a utilização de sua imagem e do seu nome.

Ele também alega que reafirmou a proibição pelo WhatsApp, no entanto, o programa foi ao ar mesmo assim.

Universal

A defesa da Universal afirmou que não promete cura e que apenas disponibiliza ajuda espiritual ao dependente: “A cura da dependência química se trata de uma questão de fé, independe da vontade da igreja o atingimento do resultado almejado”.

Em relação à exibição das imagens, a Igreja Universal disse que R.C.A. sabia que o evento estava sendo televisionado e que decidiu subir ao palco de livre e espontânea vontade.

A Justiça, no entanto, declarou que a veiculação da imagem de uma pessoa sem autorização vai de encontro aos princípios da Constituição, que asseguram sua inviolabilidade. “O desgaste emocional, a quebra de expectativa, a necessidade de ajuizamento de demanda judicial, enfim, todas as situações descritas não configuram mero dissabor, estando configurado o dano moral.”

TV Record

A TV Record afirmou que apenas vende o espaço na grade para a Igreja Universal e que não tem responsabilidade pelo conteúdo exibido.

Entretanto, a sentença determinou que, ao vender o espaço, a emissora assume os riscos, pois autoriza a igreja a televisionar a imagem de pessoas sem permissão por escrito.

A sentença foi dada pela juíza Paula Regina Cattan, da 1ª Vara Cível de São Paulo, e não caberá recurso, uma vez que o processo já transitou em julgado.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet