Cuiabá, quarta-feira, 23/06/2021
02:17:48
informe o texto

Notícias / Judiciário

11/05/2021 às 18:26

Após decisão da Justiça, VG entrega a casa de acolhimento para meninas

Espaço acomodará crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e risco social

Leiagora

Após decisão da Justiça, VG entrega a casa de acolhimento para meninas

Foto: Divulgação

Cumprindo determinação da Justiça e recomendação do Ministério Público, que exige que o município dê amparo aos menores que sofreram ou sofrem negligência, a Prefeitura de Várzea Grande entregou, nesta terça-feira (11), a Casa de Acolhimento para Meninas. O espaço se destina para acomodar crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e risco social, bem como aquelas que tiveram quebra de vínculos afetivos por agressões e abusos.

Segundo o prefeito, Kalil Baracat (MDB), a casa foi idealizada para abrigar especificamente o público feminino e será gerenciada por uma equipe multifuncional da Secretaria de Assistência Social, que dará suporte psicológico e educacional, além de amparo às crianças e adolescentes vítimas de violência.

Leia também - Centro de Triagem na Arena deixa de funcionar aos finais de semana

A inauguração é a materialização de um projeto conduzido pela primeira-dama, Kika Dorilêo Baracat, e faz parte do plano de governo que visa fortalecer a Rede de Proteção para os mais vulneráveis. “Aqui é um lugar que recebe com carinho as meninas com experiências tristes, com traumas e elas precisam se sentir seguras, cuidadas para que se fortaleçam e percebam que é possível recomeçar, que existem possibilidades de uma nova história”, pontuou Kika.

Kalil lembrou que Várzea Grande já tem uma Casa de Acolhimento, mas que atendia tanto meninas quanto meninos, o que gerava preocupações extras. A partir de agora, eles estarão em locais separados.

De acordo com a secretária de Assistência Social, Eliamara Araújo, a Casa de Acolhimento funcionará como um lar temporário, onde as crianças e adolescente de seis anos a 17 anos e 11 meses ficam sob a guarda de cuidadores, onde terão assistência médica, jurídica e psicológica para que tenham condições de retornar a seus lares ou até serem introduzidas ao mercado de trabalho. “A Casa foi criada com muito carinho e dispõe de biblioteca, espaço de estudos e lazer. As meninas irão cumprir suas atividades escolares normalmente, além de atividade extracurricular”.

Por sua vez, a gerente da Casa de Acolhimento, Ceila Cristina Góes, disse que todas as meninas que chegam ao lar são encaminhadas pelo Conselho Tutelar, depois de constatada violência, ficando a partir daí sob cuidado do município. 

“Aqui essas crianças e adolescentes terão seus direitos respeitados. Temos uma equipe capacitada para bem atendê-las e com auxílio 24 horas por dia”, afirma a gerente, informando ainda que o lar tem suporte para acolher até 10 meninas, com apoio e calor humano, respeitando o direito à saúde, alimentação, educação e lazer.

 
Com informações da prefeitura

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet