Cuiabá, segunda-feira, 14/06/2021
02:50:13
informe o texto

Notícias / Judiciário

12/05/2021 às 08:21

STF nega prisão domiciliar a traficante de MT preso com R$ 3 milhões em cocaína

Defesa do traficante alegou que ele fez uma cirurgia em outubro passado e que prisão não tem condições de oferecer os cuidados necessários

Camilla Zeni

STF nega prisão domiciliar a traficante de MT preso com R$ 3 milhões em cocaína

Foto: Nelson Junior/STF

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu não conceder habeas corpus a Anderson Nunes Rondon, de 46 anos, condenado a 9 anos de prisão por tráfico de drogas e associação ao tráfico. Ele está preso desde julho de 2020, após ter sido alvo da Polícia Federal.

De acordo com a decisão, publicada no Diário de Justiça Eletrônico desta quarta-feira (12), o ministro considerou que a pandemia da covid-19 não é um argumento válido suficiente para autorizar a sua prisão domiciliar. 

O pedido foi feito pela defesa do traficante no final de abril, sob argumentação de que ele estaria sofrendo constrangimento ilegal por parte da Justiça mato-grossense. 

O advogado apresentou atestado médico comprovando que Anderson passou por uma cirurgia de herniolastia umbilical em outubro de 2020, quando já estava preso. O procedimento foi realizado no Hospital Municipal de Cuiabá, que lhe determinou período de 60 dias de repouso no pós-operatório. 

No entanto, segundo a defesa, logo após a cirurgia Anderson voltou à Penitenciária Central do Estado (PCE), onde já estava, e teve o pedido de prisão domiciliar negado. A justificativa era que a prisão poderia fornecer o tratamento de pós-operatório. 

A defesa alegou que, no entanto, ao contrário do que manifestou a Justiça mato-grossense, a equipe carcerária afirmou que não seria possível acompanhar o estado de saúde do condenado, visto que há mais de 2,8 mil presos no local. Em dezembro passado, então, Anderson foi transferido para outra unidade prisional.

O advogado sustentou que, por uma resolução do Conselho Nacional de Justiça, Adriano deveria ser liberado para prisão domiciliar, considerando seu quadro clínico. O ministro Marco Aurélio discordou. Para ele, a defesa não conseguiu comprovar que o tratamento do condenado está inviabilizado na nova penitenciária, de forma que ele indeferiu o pedido liminar. 

Uma ação relacionada ao caso também corre no Superior Tribunal de Justiça.

Narcotráfico

De acordo com a Polícia Federal, Anderson e outros acusados foram encontrados com 300 quilos de cocaína no município de Poconé. A PF informou que eles se aproveitaram das condições do Pantanal para fazer uma conexão milionária e internacional de narcotráfico. A droga foi avaliada em R$ 3 milhões.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet