Cuiabá, sábado, 12/06/2021
19:04:12
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

13/05/2021 às 10:55

Crise à vista: 25% das bacias de hidrelétricas estão com nível abaixo de 30%

Circunstância pode levar a apagões. Governo teme agravamento. Temporada chuvosa acabou. Subsistema Sudeste/Centro-Oeste mostra pior situação

Metrópoles

Crise à vista: 25% das bacias de hidrelétricas estão com nível abaixo de 30%

Foto: Reprodução Internet

A falta de chuvas tem causado desabastecimento dos reservatórios das hidrelétricas. O baixo nível das bacias pode levar a uma situação de estresse elétrico e até mesmo a apagões.

Para se ter dimensão da escassez de água nas bacias das usinas, um quarto dos reservatórios das hidrelétricas está com nível abaixo de 30%. Dez dos 39 reservatórios estão no limite da reserva.

Há casos extremos, em que os reservatórios têm níveis entre 7% e 9% da capacidade total (veja cenários ainda mais críticos na lista abaixo). Os dados fazem parte de análise do Metrópoles, baseada em informações do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Abril marca o fim do período de transição entre as estações úmida e seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN). Com chuvas abaixo da média, aumentou a preocupação com o que pode ocorrer nos próximos meses.

O problema é que os reservatórios estão com capacidade baixa, e vem longa estiagem pela frente. No período tradicionalmente marcado por mais precipitações, entre novembro e o fim de março, as chuvas registradas foram as piores em 20 anos.

Veja nível dos reservatórios com % mais baixas:

Reservatório Marimbondo (SP/MG) – 7,07%
Reservatório Água Vermelha (SP/MG) – 9,4%
Reservatório São Simão (GO) – 16%
Reservatório Nova Ponte (MG) – 16,9%
Reservatório Chavantes (SP) – 18,2%

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou durante conversa com apoiadores, na segunda-feira (10/5), que o país tem “um problema sério pela frente” ao se referir à crise hidrológica.

“Nós estamos com um problema sério pela frente. Estamos vivendo a maior crise hidrológica da história. A gente vai ter dor de cabeça. Não chove”, destacou.

Em abril, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que a conta de luz terá bandeira vermelha 1 no mês de maio. Na prática, isso significa que será cobrada taxa adicional mais alta, de R$ 4,169 para cada 100 kWh.

O balanço hidrológico do período 2020-2021 produzido pela Aneel registrou o pior aporte hidráulico da história.

Desde janeiro, a situação melhorou, mas está longe de ser confortável. À época, um terço dos reservatórios monitorados pelo ONS estava com menos de 20% da capacidade total. Ao todo, 12 dos 39 principais reservatórios apresentavam volume baixíssimo.

Internamente o governo procura alternativas para atenuar a crise. O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), grupo formado por integrantes do Ministério de Minas e Energia, Aneel e ONS, entre outros, aprovou maior acionamento de térmicas e importações de energia da Argentina e do Uruguai para suprir as necessidades do país.

Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e consultor do Ministério de Minas e Energia durante a reforma do setor elétrico, Adilson de Oliveira explica que o governo precisa tomar “decisões urgentes”, como criação de térmicas.

“O país está refém da chuva, e os especialistas da meteorologia já alertaram que não vai chover. Vamos ter um problema que não sabemos a dimensão ainda. Não adianta só aumentar o preço. Não terá o produto”, alerta o professor.

O docente critica a gestão que está sendo feita para solucionar o impasse. “Importar já estávamos importando antes. O grosso da seca está no Sul e no Sudeste do Brasil, e está chegando à Argentina. Temos que criar capacidade de geração hoje, mas isso geraria tarifaço. Temos gás natural na costa brasileira, mas não temos gasoduto para levar para a térmica. Podemos usar diesel, mas já importamos, e nossas refinarias não têm capacidade”, pondera.

Estiagem

De acordo com a medição do ONS, a situação mais crítica está em São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Cinco dos 10 reservatórios com os níveis mais baixos se encontram nesses estados.

A situação mais grave, segundo dados do ONS, é no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, responsável pela geração de cerca de 70% da energia consumida no Brasil. O nível dos reservatórios está em 33,6% da capacidade total.

Em janeiro, o índice chegou a 19,6%, mas não se recuperou totalmente. A previsão do ONS é que em outubro esse marcador atinja 20% novamente.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet