Imprimir

Imprimir Notícia

29/05/2024 às 09:15 | Atualizada: 29/05/2024 às 11:49

Vereador afirma que operação ‘pega mal’, mas diz que nome de prefeito não foi citado

Da Redação - Gabriella Arantes/Da Reportagem Local - Paulo Henrique Fanaia

O vereador Renivaldo Nascimento (PSDB) afirma que a Operação Miasma, deflagrada pela Polícia Federal, nessa terça-feira (28), “pega mal” em relação a administração da Prefeitura de Cuiabá. No entanto, o parlamentar defendeu o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), dizendo que o nome do emedebista não foi citado na ação.  

“Claro que pega mal, com certeza. Agora fazer o quê? Se pessoas que desviam a sua função, que vai lá para fazer por lisura e não faz. Agora, vamos apurar e que puna aquele que não honrou com a função pública. [...] Nenhuma operação chegou ao nome do prefeito, citou A, B, C, D e E. As pessoas estão nominadas, vocês querem criar elo porque?”, disse o vereador. 

O parlamentar ainda cobrou a punição dos envolvidos durante a operação. 

“Eu não explico nada disso ai, não tenho nada a ver com isso meu irmão!. Só que isso aí tem que explicar quem está envolvido. É a polícia e a Justiça têm que explicar. Pode ter a vigésima e a trigésima, desde que apure e pune quem não está honrando com a construção pública”, argumentou. 

Operação Miasma

A operação visa combater possíveis crimes de fraude à licitação e peculato em detrimento da Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá.

As investigações identificaram um esquema na compra de software no valor de R$ 14 milhões, e na locação de van e ambulância, pertencentes ao pai de um dos servidores públicos responsáveis pela fiscalização contratual.

Conforme a  Polícia Federal,  as investigações apontaram que os esquemas de fraudes e peculato ocorreram entre os anos de 2021 e 2023.
 
 Imprimir