Imprimir

Imprimir Notícia

08/04/2019 às 14:56 | Atualizada: 09/04/2019 às 11:26

Pessoa ligada ao prefeito tenta barrar clipe sobre Emanuel Pinheiro e sua história com paletó

Josiane Dalmagro

Após divulgação pelo Portal Leiagora e redes sociais do artista Billy Espíndola, sobre o lançamento do clipe “Cuiabá no Paletó”, uma pessoa ligada ao prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, entrou em contato com o artista, na tentativa de barrar a veiculação do clipe.

Billy relatou, com exclusividade ao Leiagora, a situação que ocorreu neste sábado (06), quando foi procurado por esta pessoa ligada ao prefeito, sugerindo que não fosse publicado o vídeoclipe, em troca de possíveis futuras vantagens na Secretaria de Estado de Cultura.

“Há alguma possibilidade de segurarmos isso? Digo, de tentar reverter”, diz a primeira mensagem.
Nesse momento o artista pede para que a pessoa seja mais clara quanto ao que está sugerindo e então ela responde: “Digo, se há alguma possibilidade de você não soltar isso. Caso veja o outro lado, Emanuel vai fazer uma mudança na Cultura municipal e quer saber como pode construir isso junto com os representantes do segmento, inclusive você”.

O artista, perplexo, afirma não acreditar estar lendo aquilo e diz, ainda, que a pessoa está subestimando sua inteligência com tal proposta.

“Eu tô há cinco anos trabalhando e fazendo um monte de coisas, sempre pedindo ajuda para prefeitura para as coisas e nunca tivemos o devido apoio. Sempre migalhas e desrespeito com o nosso trabalho e agora que vou lançar um clipe crítico vocês vêm com esse papo?”









Outro lado

A pessoa que entrou em contato com Billy se chama Silvana Cordova e é assessora de projetos dos 300 Anos.

"Meu lado sempre foi o segmento Cultural. E faço parte dele. Atualmente estou sim na Gestão de Emanuel Pinheiro tentando colaborar neste setor, mas não estou na Secretaria de Cultura, e como Billy se posicionou com críticas e apontamentos da Gestão, eu o procurei para entender quais seriam e como podemos melhorar.  Minha intenção era apenas levar aos gestores responsáveis as críticas e sugestões, mesmo porque nem tenho autonomia para atuar nos projetos desenvolvidos pela Secretaria de Cultura, pois como eu disse não sou servidora desta pasta. Mas reforço que sou do segmento Cultura, hoje estou na gestão, mas atuo mesmo nas artes cênicas", disse ela ao Leiagora.



 
 
 Imprimir