Cuiabá, domingo, 21/04/2019
07:09:32
informe o texto

Notícias / Política MT

11/04/2019 às 19:52

"Todo mundo tem o seu bandidinho querido”, disse analista político

João Edisom pontuou que nova eleição deveria ser 100% financiada por quem fraudou a eleição anterior

Luana Valentim

O analista político, João Edisom, avaliou ao Leiagora, nesta quinta-feira (11), como oportunismo o fato de o deputado federal Nelson Barbudo (PSL) querer disputar o Senado, após a senadora Selma Arruda (PSL) ter sido cassada. Ainda completou que, concorrer agora, seria uma desonestidade com os demais candidatos.
 
“Ele não deve saber nem o endereço direito em Brasília e já está querendo mudar de casa, ou seja, querendo trocar de oito para quatro anos e ambos os casos são no Congresso. Então seria um disparate. Não somente ele, mas qualquer um que foi eleito neste último pleito, é uma ausência de caráter contra o eleitor que votou nele”, frisou.
 
O analista avaliou que a oportunidade é para as pessoas que não possuem cargo, inclusive, a própria democracia exige isso. Acreditando que a sociedade também não aceitaria.
 
Para João Edisom, é um disparate os políticos eleitos quererem abdicar dos seus cargos para disputarem esta eleição, pois fazem apenas 100 dias que assumiram o mandato.
 
Questionado se acredita que Selma ainda tenha alguma credibilidade após ser cassada, o analista disse que os brasileiros têm a cultura de ‘adotar’ o seu ‘bandido favorito’. Apesar de ter várias pessoas contra ela, há os eleitores que a defendem.
 
“Aquele mesmo comportamento que o pessoal tem em relação ao Lula, tem em relação ao Bolsonaro e a ela, Mauro Mendes e a Pedro Taques. Todo mundo tem o seu bandidinho querido”, disparou.
 
Novas eleições
 
João Edisom informou que, somente com as eleições, gasta-se entre R$ 20 e R$ 30 milhões, fora os R$ 3 milhões que serão repassados a cada candidato.
 
“Temos que ter duas leituras, uma é que os juízes que votaram não tinham em mãos leis que dissessem que poderia subir o candidato que ficou em 3º ou 4º lugar, então isso é um fato e ninguém pode ser condenado por isso. O fato é que o TSE precisa ter um entendimento que o Brasil não pode gastar mais”, afirmou.
 
O analista pontuou que essa nova eleição deveria ser 100% financiada por quem fraudou a eleição anterior e não pelo povo novamente, ou seja, Selma é quem deveria custear os gastos de campanha como punição por ter cometido os crimes, acreditando que os oito anos de inelegibilidade é muito pouco em um caso como esse.
 
Ressaltando que usar do dinheiro público é responsabilizar a população por um erro cometido pela senadora. Sendo estas eleições extemporâneas um disparate sem tamanho, pois causam grandes gastos ao país e trazem pouquíssimos benefícios à população.
 
“No ano passado, em Tocantins, tivemos uma eleição extemporânea, mas 70% da população não foi votar. E acha que aqui em Mato Grosso a população vai votar para senador? É muito difícil”, disse.
 
 
 
 
 
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet