Cuiabá, quinta-feira, 02/07/2020
14:14:30
informe o texto

Notícias / Polícia

05/06/2019 às 08:28

Polícia Civil investiga bolivianos que enterraram feto no quintal de casa

As investigações buscam identificar eventual crime de aborto e contravenção penal de inumação de cadáver.

Leiagora

Polícia Civil investiga bolivianos que enterraram feto no quintal de casa

Foto: PJCMT

A Polícia Judiciária Civil ouviu, na tarde de terça-feira (04.06), bolivianos que teriam enterrado um feto de aproximadamente 5 meses no quintal da casa deles, no bairro Jardim Marília, em Pontes e Lacerda (448 a Oeste). As investigações buscam identificar eventual crime de aborto e contravenção penal de inumação de cadáver.

O feto foi localizado após uma profissional de saúde do ESF Santa Cruz em Pontes e Lacerda procurar a delegacia para relatar que acompanhava o pré-natal de uma adolescente boliviana, de 17 anos, gestante de aproximadamente 19 semanas e que não retornou mais ao posto para as consultas.

Diante da situação, a testemunha foi até a casa da gestante, onde encontrou a menor já sem barriga, relatando que tinha perdido a criança após cair no banheiro e que o feto foi enterrado no quintal de casa.

Com base nas informações passadas, a equipe da Polícia Civil foi até a casa do grupo de bolivianos, onde a adolescente confirmou a versão e indicou o local em que o feto foi enterrado. Com apoio da equipe da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), os investigadores localizaram o corpo do bebê, de aproximadamente 20 centímetros, enrolado em roupas dentro de uma sacola plástica.

Mediante o fato, foram conduzidos à delegacia a adolescente, o pai da criança, a mãe da menor e algumas testemunhas que foram ouvidas pelo delegado, Carlos Augusto do Prado Bock. Durante as oitivas, os envolvidos relataram que o aborto foi espontâneo. Segundo a menor, ela escorregou durante o banho e que, a princípio, não sentiu dores, porém algumas horas mais tarde teve um sangramento muito forte e perdeu a criança.

De acordo com o apurado, nove pessoas moram na casa, todas bolivianas e nenhuma fala português. Os bolivianos não têm documentação brasileira e vieram para o Brasil em busca de trabalho.

“Eles alegam que não houve provocação do aborto, assim como não usavam métodos contraceptivos. Em relação ao sepultamento do feto, disseram que ficaram perdidos com a situação e por não conhecerem pessoas na cidade, serem estrangeiros, e sabendo que enfrentariam grandes burocracias para enterrar a criança, decidiram então enterrar o bebê no quintal da casa, fato que seria comum na Bolívia”, disse Carlos Bock.

O corpo da criança foi encaminhado para Cuiabá para exame de necropsia e as investigações seguem em sigilo para identificar se o aborto foi de fato espontâneo ou provocado e, portanto, caracterizando crime de aborto e contravenção de inumação de cadáver.
Com informações da Assessoria PJC/MT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet