Cuiabá, terça-feira, 16/07/2019
12:23:17
informe o texto

Notícias / Cidades

19/06/2019 às 10:04

Proposta da AL pode colocar fim às 'brigas' entre governo e professores

Wilson Santos apresentou um Projeto de Lei que dispõe sobre a ausência de professores dos locais de trabalho

Luana Valentim

Proposta da AL pode colocar fim às 'brigas' entre governo e professores

Foto: Reprodução da internet

O deputado estadual, Wilson Santos (PSDB), apresentou, nessa terça-feira (18), durante a sessão ordinária na Assembleia Legislativa, um Projeto de Lei que dispõe sobre a ausência de professores dos locais de trabalho em virtude de manifestações, paralisações ou greve.
 
O PL estabelece que as ausências dos professores devem ser motivadas por manifestações, paralisações ou adesão a movimentos grevistas desde que convocadas regularmente pelo sindicato representativo da categoria.

Saiba Mais: GREVE NA EDUCAÇÃO

E que só serão apontadas e ensejarão descontos em seus vencimentos, se não houver reposição das aulas dadas.
 
O professor também deverá apresentar uma declaração de próprio punho, afirmando sua intenção de repor as aulas não dadas, instruído com a declaração do sindicato para comprovar que a ausência se deu em razão de ter aderido ao movimento reivindicatório, convocado pela instância sindical apontando o dia ou o período em que ocorreu.
 
A reposição poderá ocorrer em pré ou pós aula, encontro a turnos aos sábados ou mesmo aproveitando eventual ausência de professor que lecione para mesma sala, onde a reposição tenha que se dar.
 
Poderá haver reposição de aulas pelo professor ainda que aquelas das quais se ausentou tenham sido ministradas por professor admitido eventualmente para essa finalidade. E poderá ser feita até o último dia do ano conforme a necessidade, não devendo ser lançadas as faltas relativas às ausências tratadas até a data.
 
No caso em que o professor reponha as aulas aproveitando da ausência de outros docentes, essas serão consideradas como normais não havendo pagamento como eventuais.
 
Se a reposição atrapalhar o término do ano letivo, as aulas serão dadas por conteúdo e não por número de dias, sendo que, no fim do processo, serão consideradas repostas tanto para fins de vida funcional quanto para fins de pagamentos e vencimentos.
 
O objetivo desse projeto é colocar um ponto final nas disputas entre o governo e os profissionais da educação.
 
“Então apresento essa proposta, mas não quer dizer que ela esteja pronta ou acabada, mas que, a partir deste momento, está à disposição do Sintep e da Seduc. Mas temos que construir o marco legal, porque no magistério é diferente, sou professor em sala de aula, o professor pode fazer um movimento paredista, mas o ano letivo não é encerrado se não cumprir os 200 dias letivos e aqui temos tradição de cumprir isso”, disse.
 
 
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Qual seu posicionamento em relação a Reforma da Previdência?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet