Cuiabá, sexta-feira, 22/11/2019
01:27:21
informe o texto

Notícias / Geral

09/08/2019 às 10:14

​Professores têm até hoje para pôr fim à greve ou serão demitidos

A secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemashewsk, enviou uma carta de sensibilização aos gestores das escolas da rede estadual

Luana Valentim

​Professores têm até hoje para pôr fim à greve ou serão demitidos

Foto: Reprodução da internet

A secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemashewsk, enviou uma carta de sensibilização aos gestores das escolas da rede estadual de ensino pedindo que eles colaborem com o Estado e mobilizem os profissionais da Educação a retornarem às suas atividades, uma vez que ainda há tempo de concluir o ano letivo e reduzir os impactos da greve.

Na carta, a secretária destacou que a greve é um movimento que busca um ganho material, também político e pedagógico.

“Concordamos que reivindicar o cumprimento das leis é dever de todo cidadão. Neste âmbito, reiteramos que condições vigentes para cumprimento das mesmas devem ser consideradas para a manutenção ou conclusão do movimento paredista. É necessário reconhecer, contudo, que a greve é custosa para todos os envolvidos e para toda a sociedade”, diz trecho da carta.

Marioneide ressaltou a importância de os gestores escolares e demais trabalhadores grevistas avaliarem a atual conjuntura e admitirem seus efeitos, pois a Justiça decidiu que declara a greve abusiva.

Além de uma orientação da Procuradoria-Geral do Estado encaminhado à Seduc para que a pasta adote as providências administrativas, em caso de não cessação do movimento grevista em um prazo de 72h contados a partir do dia 02 de agosto.

Caso contrário, será considerado abandono de cargo para aqueles que não retornarem as suas atividades.

Podendo assim, a Seduc aplicar a pena de demissão aos servidores públicos efetivos ou em estágio probatório comprovadamente faltosos e abrir processos administrativos disciplinares individualizados.

“Esclarecemos neste quesito que o retorno requer o pleno funcionamento das ações educativas, uma vez que o mero cumprimento da carga horária na unidade escolar, sem a presença dos estudantes, não representa dia letivo”, salientou.

A secretária destacou que é preciso garantir o retorno ou não em uma ata que documente a decisão dos servidores, a unidade escolar com a assinatura dos representantes da categoria, para assim garantir o registro documental e depois ser encaminhado para a Seduc até esta sexta-feira (9), onde se comprometem a repor as aulas dos dias paralisados.

Marioneide pediu na carta que os profissionais da educação reflitam sobre as possíveis consequências à categoria e que reflitam sobre a situação fiscal do Estado que impedem o governo a cumprir a Lei 510/2013.

“A Seduc tem trabalhado para mitigar os prejuízos decorrentes da greve a fim de não estenderem à vida funcional dos seus servidores e ressalta que os profissionais que retornarem terão seus subsídios referentes aos meses de maio e junho pagos em folha complementar para o dia 20 de agosto e os demais valores para a folha de pagamento do mês de agosto”, frisou.

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet