Cuiabá, segunda-feira, 16/09/2019
22:29:48
informe o texto

Notícias / Judiciário

10/09/2019 às 10:18

Município assina TAC para se adequar às regras de acessibilidade

O objetivo é evitar qualquer entrave que limite ou impeça a participação social da pessoa com deficiência em edifícios públicos e privados.

Leiagora

Município assina TAC para se adequar às regras de acessibilidade

Foto: Reprodução internet

O Município de Castanheira (a 786km de Cuiabá), que pertence à comarca de Juína, celebrou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT) se comprometendo a atender às regras de acessibilidade arquitetônica. O objetivo é evitar qualquer entrave que limite ou impeça a participação social da pessoa com deficiência em edifícios públicos e privados.


De acordo com o documento, o compromissário deverá observar as condições de acessibilidade obrigatórias, previstas no Estatuto da Pessoa com Deficiência, para fins de liberação do Habite-se. Entre as normas de acessibilidade destacam-se áreas de circulação com superfície regular, firme, estável e antiderrapante, rampas, guias de balizamento e sanitários acessíveis.


Conforme o TAC, o Município somente poderá conceder o Habite-se para solicitantes que cumpram com as exigências de acessibilidade estabelecidas para a aprovação de projetos. Além disso, os edifícios privados de uso coletivo que já tiveram o projeto aprovado deverão ser reavaliados no prazo de 36 meses, no tocante à acessibilidade. O não cumprimento das obrigações assumidas implicará no pagamento de R$ 10 mil por certidão expedida.


O TAC foi assinado pelo promotor de Justiça Marcelo Linhares Ferreira, da 1ª Promotoria de Justiça Cível de Juína, e pela prefeita de Castanheira, Mabel de Fátima Milanezi Almici.


Acessibilidade – A Lei nº 13.146/2015 estabelece que “a acessibilidade é direito que garante à pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida viver de forma independente e exercer seus direitos de cidadania e de participação social”. Ainda segundo a legislação, são sujeitas ao cumprimento das disposições legais a aprovação de projeto arquitetônico e urbanístico e a fabricação de veículos de transporte coletivo, entre outros casos.


Ademais, “edificações públicas e privadas de uso coletivo já existentes devem garantir acessibilidade à pessoa com deficiência em todas as suas dependências e serviços, tendo como referência as normas de acessibilidade vigentes”.


Barreiras urbanísticas – Em 2016, as partes firmaram um TAC para adequar vias e espaços públicos e privados abertos ao público ou de uso coletivo, de modo a evitar barreiras urbanísticas. Entre os prédios que deveriam ser adaptados estavam o da Prefeitura Municipal, da Câmara de Vereadores, Secretarias de Educação, Assistência social, Agricultura e de Meio Ambiente, postos de saúde, Centro de Referência de Assistência Social e de uma escola municipal.


No acordo, o município também assumiu o compromisso de adequar as vias públicas em que haja asfaltamento, os parques e os demais espaços de uso público de forma a torná-los acessíveis para todas as pessoas, inclusive para aquelas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Da assessoria, Ana Luiza Anache/MPMT

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Você está satisfeito (a) com a gestão do governador Mauro Mendes?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet