Cuiabá, sexta-feira, 06/12/2019
01:27:37
informe o texto

Notícias / Geral

01/12/2019 às 09:05

Chega à pré-venda vibrador que simulam movimentos de língua e dedos alcançando o ponto G

A quem se interessar, o produto pode ser adquirido no site da empresa por $290 (em reais, cerca de R$1200).

Leiagora

Chega à pré-venda vibrador que simulam movimentos de língua e dedos alcançando o ponto G

Foto: Divulgação

Após muita polêmica, o Osé, vibrador desenvolvido pela startup americana Lora DiCarlo, saiu do protótipo e chegou ao mercado. O sex toy promete orgasmos intensos por conta de microrrobôs que simulam movimentos de língua e dedos e estimulam, ao mesmo tempo, o ponto G, na área interna da vagina, e o clitóris. A quem se interessar, o produto pode ser adquirido no site da empresa por $290 (em reais, cerca de R$1200).

Entenda o caso
No final de 2018, a fundadora e CEO da Lora DiCarlo, Lora Haddock recebeu, pelo protótipo do Osé, um prêmio de inovação da CES – maior feira de tecnologia do mundo, organizada pela Consumer Tecnology Association (CTA) – na categoria de robótica e drone.

Pouco tempo depois o prêmio foi rescindido, e a Lora DiCarlo impedida de expor o produto na CES 2019. Em carta aberta publicada por Haddock, a empresária relatou o caso e entregou que, entre as justificativas dadas, a CTA disse que se dava ao direito de desqualificar inscrições de produtos que pudessem ser “imorais, obscenos, indecentes, profanos ou que destoassem da imagem da organização”.

Mas, para a CEO, tratou-se de mais um caso de machismo, já que a feira já permitiu os lançamentos de uma boneca sexual e a exposição de uma empresa de pornografia em realidade virtual.

“Claramente, a CTA não tem problemas com sexualidade masculina explícita. Aparentemente, tem algo diferente, algo ameaçador sobre o Osé, um produto criado por mulheres para empoderar mulheres”, escreveu Lora.

Após alguns meses, a CTA restituiu o prêmio ao Osé. Mas houve uma mudança de justificativa – segundo a empresa, houve mau gerenciamento do prêmio, porque o produto não se encaixa em nenhuma das categorias e não deveria ter sido aceito pela comissão julgadora. “É sério? Nosso produto foi desenhado em parceria com um dos melhores laboratórios universitários de engenharia e robótica (Universidade Oregon, nos Estados Unidos)”, argumentou a CEO.

Mas agora o brinquedo já pode ser testado de todos os jeitos!

 
Metropoles.com

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet