Cuiabá, domingo, 20/09/2020
17:44:57
informe o texto

Notícias / Política

10/12/2019 às 15:51

2 senadores de MT estão entre os 6 seis que gastaram R$ 200 mil com querosene para aviões

Fagundes está em 2º lugar como o mais gastador

Leiagora

2 senadores de MT estão entre os 6 seis que gastaram R$ 200 mil com querosene para aviões

Foto: Reprodução internet

Os senadores Jayme Campos (DEM)  e Wellington Fagundes (PL) Estão entre os  seis senadores que gastaram quase R$ 200 mil (R$ 197.032) com combustível para avião desde fevereiro de 2019 até o início do mês de dezembro.

Em comparação com o preço médio do querosene de aviação no ano (R$ 2,21, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) as aeronaves foram abastecidas com 89.154,75 litros. Durante o mesmo período, os parlamentares também gastaram R$ 348.501,54 com passagens aéreas em voos comerciais.

Segundo levantamento do (M)dados, núcleo de análise de grande volume de informações do Metrópoles, o parlamentar mais gastador foi Ciro Nogueira (PP-PI), responsável por 53,51% do valor total. Ele abasteceu 24 vezes e desembolsou R$ 105.438,09. Foram analisados os números atualizados pelo Senado Federal, mediante nota fiscal entregue pelos congressistas.

Na segunda posição do ranking dos mais gastadores está Wellington Fagundes (PL-MT), que desembolsou R$ 32.365,50. E, para fechar o pódio, José Maranhão (MDB-PB), com R$ 23.014,89. Os últimos da lista são o senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que gastou R$ 22.886,67; Jayme Campos (DEM-MT), com R$ 8.841,60 e, no último lugar, Angelo Coronel (PSD-BA), R$ 4.485,25.

O valor total desembolsado pelos congressistas é equivalente, por exemplo, ao gasto de uma viagem do Rio de Janeiro a Paris, com 320 pessoas, em um Boing 777-200. O cálculo feito leva em consideração o FOM (Flight Operation Manual) do Boeing 777, caso ele pese 420 mil libras em uma altitude de 39.000 pés, a média de um voo de cruzeiro. Além disso, foi utilizada a densidade padrão do combustível, que é 0,8028 kg/litro.

As despesas com o combustível são custeadas pela cota parlamentar, cujos valores variam para cada estado da Federação, entre R$ 30 e R$ 44 mil. O benefício reúne as verbas indenizatórias, que incluem gastos com o gabinete e com o exercício legislativo, e as verbas de transporte aéreo.

Custos com passagens

De acordo com o levantamento, além do custo com aeronaves particulares, os senadores gastaram também com a emissão de bilhetes aéreos. Entre os seis parlamentares, o que mais gastou com viagens foi José Maranhão, com R$ 109.614,34. O mais “econômico” foi Ciro Nogueira, com R$ 58.792,37. Entre os dois senadores, por sua vez, está Wellington Fagundes, com R$ 68.930,42.

À reportagem, a assessoria de imprensa de Maranhão afirmou que “todos os gastos foram feitos legalmente, uma vez que os gastos com locomoção são previstos nas cotas parlamentares”. A equipe de Ciro Nogueira se limitou a dizer que ele precisa viajar pelo estado e há algumas localidades às quais voos comerciais não têm alcance.

A assessoria de imprensa de Wellington Fagundes afirmou, em nota enviada ao Metrópoles, que a cota utilizada está dentro do limite permitido e foi destinada para deslocamentos aéreos em trechos que não possuem oferta de voos regulares, “para cumprimento de agenda parlamentar”.

“O uso de sua aeronave (EMB-810 C – Seneca II) se faz necessário, visto que Mato Grosso (com 900 mil km quadrados de extensão) é um estado onde as distâncias entre alguns municípios podem superar mil quilômetros”, escreveu.

 
Do metropoles.com
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet