Cuiabá, quarta-feira, 01/04/2020
08:12:37
informe o texto

Notícias / Política

24/03/2020 às 13:47

Figueiredo: ‘Estamos em isolamento. Não seria racional fazer as eleições neste momento’

Secretário de Saúde diz que prioridade deve ser combate ao coronavírus

Camilla Zeni

Figueiredo: ‘Estamos em isolamento. Não seria racional fazer as eleições neste momento’

Foto: Assessoria

Em meio às discussões sobre os avanços e efeitos do novo coronavírus no Brasil, a classe política também divide a atenção com outro assunto que mexe com o sono dos políticos: as eleições municipais.

Agendadas para outubro, elas começam ainda antes, com a pré-campanha oficializada no meio de agosto e a movimentação de bastidores já em debate neste momento.

Mas para evitar até que essa atenção se desvie da área da Saúde, o ministro Luiz Henrique Mandetta sugeriu o adiamento das eleições. O secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, concorda com a ideia.

“Se a previsão do ministro, que é médico, tem experiência muito maior que a minha, imagina que a crise, essa epidemia, vai consumir todo nosso esforço até o mês de outubro, não seria racional [manter as eleições”, disse à imprensa, em coletiva virtual nessa segunda-feira (23).

Na semana passada, o ministro da Saúde informou que o coronavírus ainda está na fase ascendente no país, com o surgimento de centenas de novos casos diariamente. Segundo Mandetta, a previsão é de que o país ainda siga “em estresse” por um período de mais 60 a 90 dias. 

Nessa projeção, a expectativa é a de que os casos de infecção sejam estabilizados em julho, e comecem a apresentar queda até outubro, quando a população deve sair às ruas para escolher novos prefeitos e vereadores.

Com esse cenário, Figueiredo também entende que não seria prudente manter o pleito de 2020, considerando que, para que a projeção com a diminuição dos casos ocorra, a população deve seguir as recomendações do Ministério da Saúde. Elas se resumem ao incentivo à higienização e à quarentena por parte dos cidadãos.

“Nós estamos no enfrentamento de algo que faz com que a população viva em isolamento. Não seria racional fazer um evento com tamanha grandeza, como é a eleição nesse país, em um momento em que ninguém tem cabeça para pensar nisso”, avaliou o secretário.

“O foco de todo mundo e a prioridade é o coronavírus e o combate a essa epidemia. Se isso persistir até lá, eu tô junto com o ministro, acho que a eleição deve ser adiada”, finalizou.

Apesar da opinião dos médicos,
a presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministra Rosa Weber disse, também nessa segunda-feira, que o debate é precoce.

Cabe lembrar que Mato Grosso enfrenta uma situação diferente dos demais estados brasileiros: uma eleição suplementar para preencher vaga no Senado deve ser realizada. Inicialmente, o pleito chegou a ser marcado para 26 de abril, mas foi suspenso pela ministra Rosa Weber justamente diante dos avanços do vírus no país.

A cadeira vaga é a da juíza aposentada Selma Arruda, que teve o mandato cassado por caixa dois e abuso de poder econômico em dezembro de 2019.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet