Cuiabá, sexta-feira, 12/07/2024
20:51:10
informe o texto

Notícias / Política

28/08/2020 às 12:30

Witzel manifesta indignação com afastamento: 'mais um circo sendo montado'

'Não há nenhum ato praticado por mim ao longo dos últimos meses que possa caracterizar que, em algum momento, atrapalhei a investigação', defendeu-se em pronunciamento

O Dia

Witzel manifesta indignação com afastamento: 'mais um circo sendo montado'

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Rio - O governador afastado do Rio, Wilson Witzel, manifestou indignação com a operação que o afastou e se disse perseguido pelo presidente da República e pela subprocuradora Lindora Araújo, do MPF.  "Mais um circo sendo montado. Bolsonaro que já declarou que quer o Rio de Janeiro, já me acusou de perseguir a família dele", declarou, sugerindo ser vítima de perseguição.

Witzel realizou na manhã desta sexta-feira em sua residência oficial, o Palácio Laranjeiras, na Zona Sul do Rio, um pronunciamento que durou cerca de 20 minutos sobre a decisão que o afastou do cargo por 180 dias.

Leia: Bolsonaro provoca Witzel após afastamento do governador: 'Rio está pegando'

"Não há nenhum ato praticado por mim ao longo dos últimos meses que possa caracterizar que, em algum momento, atrapalhei a investigação", defendeu-se. "Querem atingir a mim, ao presidente da Alerj e ao vice-governador", afirmou Witzel. André Ceciliano (PT) e Cláudio Castro (PSC) foram alvos de mandados de busca e apreensão da Operação Tris in Idem, que atingiu a cúpula do governo do Rio. Foram 17 mandados de prisão (sendo seis preventivas e 11 temporárias) e 82 de busca e apreensão.
O governador afastado desafiou a subprocuradora Lindora Araújo, responsável pela a acusação de Witzel na Procuradoria-Geral da República, e disse que a questão entre eles virou pessoal. Witzel disse que Lindora tem relações com o senador Flavio Bolsonaro, ex-aliado que se tornou seu adversário político. 

"Uma procuradora cuja imprensa já denunciou um relacionamento próximo com a família Bolsonaro. Desafio a apresentar qualquer papel que indique vantagem ilícita por minha parte. Reafirmo que não tenho absolutamente medo da delação desse canalha, Edmar (Santos). O processo penal brasileiro está se transformando em um circo com essas delações mentirosas, que estão sendo produzidas e usadas politicamente", disse.

O governador afastado ainda chamou o ex-secretário de Saúde do Estado Edmar Santos de "canalha" e "vagabundo". De acordo com Witzel, a delação de Edmar Santos é "mentirosa". O afastamento de Witzel e a operação de hoje teriam sido resultados da delação premiada que o ex-secretário Edmar Santos fechou com a PGR. 

Witzel também negou, durante o discurso, que tenha envolvimento com o empresário Mário Peixoto.

O governador afastado chamou a busca e apreensão promovida pela Polícia Federal em sua residência oficial de "busca e decepção".

"Não encontrou um real, uma joia. Foi mais um circo. Lamentavelmente, a decisão do excelentíssimo senhor ministro Benedito, induzido pela procuradoria da República, na pessoa da doutora Lindora, que está se especializando em perseguir governadores, desestabilizar os Estados da Federação, com investigações rasas, buscas e apreensões preocupantes", atacou.

Witzel disse que tomará medidas cabíveis contra o afastamento no Superior Tribunal de Justiça junto aos seus advogados. Witzel afirmou que continuará morando no Palácio Laranjeiras durante o período de afastamento. "Não fui despejado", disse.

Leia: Pastor Everaldo é preso em operação da PF contra cúpula do Governo do Rio

O afastamento foi determinado pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Benedito Gonçalves, que negou o pedido de prisão do governador. O STJ também proibiu o governador de ter contatos e acesso a determinados locais. Witzel foi indiciado pelos crimes de formação de organização criminosa, peculato, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

Conforme consta da acusação encaminhada ao STJ, a contratação do escritório de advocacia da primeira-dama Helena Witzel consistiu em artifício para permitir a transferência indireta de valores de Mário Peixoto e Gothardo Lopes Netto para Wilson Witzel. Foram denunciados, neste primeiro momento, o governador Wilson Witzel, sua esposa, a primeira-dama Helena Witzel, Lucas Tristão, Mário Peixoto, Alessandro Duarte, Cassiano Luiz, Juan Elias Neves de Paula, João Marcos Borges Mattos e Gothardo Lopes Netto.

No total, a operação da Polícia Federal, Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Receita Federal cumpriu, nesta sexta-feira, 17 mandados de prisão, sendo seis preventivas e 11 temporárias, e 72 de busca e apreensão. Além dessas medidas, em outro inquérito, o também ministro do STJ Jorge Mussi autorizou o cumprimento de 12 mandados de busca e apreensão no estado do Piauí, objetivando coletar provas sobre suposto esquema de nomeação de funcionários fantasmas no governo fluminense para desvio de dinheiro público.
Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet