Cuiabá, sábado, 17/04/2021
22:34:31
informe o texto

Notícias / Política

02/03/2021 às 12:00

ALMT aprova multas de R$ 500 e R$ 10 mil para quem descumprir medidas restritivas

Foram contrários à proposta os deputados Silvio Favero (PSL), Ulysses Moraes (PSL), delegado Claudinei (PSL) e Faissal Calil (PV).

Da Redação - Alline Marques / Reportagem Local - Camilla Zeni

ALMT aprova multas de R$ 500 e R$ 10 mil para quem descumprir medidas restritivas

Foto: Giuseppe Feltrin / Leiagora

A Assembleia Legislativa aprovou o projeto de lei que regulamenta a aplicação de multas a pessoas e estabelecimentos comerciais que descumprirem as novas regras restritivas impostas para conter o avanço do coronavírus em Mato Grosso. A proposta, encaminhada com urgência pelo governo do Estado, prevê multas de R$ 500 às pessoas físicas e R$ 10 mil para empresas. 

O projeto teve 12 votos favoráveis, seis contrários e uma ausência. Foram contra à proposta os deputados Silvio Favero (PSL), Ulysses Moraes (PSL), delegado Claudinei (PSL), Xuxu Dal Molin (PSC), Sargento Elizeu (PSL) e Faissal Calil (PV). Ausência foi do deputado Sebastião Rezende (PSC), que na primeira votação, minutos antes, se absteve.

A medida foi debatida durante sessão extraordinária na manhã desta terça-feira (2). Durante as discussões, alguns deputados aproveitaram para criticar o decreto estadual que impõe as medidas e pediram sua flexibilização. Também apresentaram emendas para modificar o projeto que prevê a aplicação das multas. 

O deputado Lúdio Cabral (PT), por sua vez, que é médico sanitarista, apontou que as medidas ainda não são suficientes para conter o avanço da covid-19 e que seria necessário mais rigidez nas ações. Valmir Moretto (Republicanos) defendeu a proposta do governo e concordou com Lúdio Cabral, de que o projeto poderia ser mais rígido. Ele lembrou sobre o momento que passou com sua internação em razão da doença.

Apesar dos apontamentos divergentes, os parlamentares aprovaram na íntegra a aplicação de multas. As emendas pretendidas foram rejeitadas  na Comissão de Saúde e no plenário.

O projeto do governo prevê que as infrações poderão ser registradas pelo Procon estadual e municipal; pelos órgãos de vigilância sanitária estadual e municipal; Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e outros órgãos municipais com poder fiscalizatório.

A pessoa ou empresa multada poderá recorrer em até 15 dias após a assinatura do auto de infração. A proposta prevê, ainda, que os infratores poderão ser investigados pelos crimes de infração de medida sanitária preventiva e desobediência, previstos no Código Penal.

Os recursos arrecadados com eventuais multas serão destinados à compra de cestas básicas a serem distribuídas no município onde ocorreu a autuação.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet