Cuiabá, domingo, 21/04/2019
06:54:31
informe o texto

Artigos / Colunas / Gabriel Oliveira - Crônicas do Cotidiano

31/03/2019 às 20:00

1964 e o regime que viveu probleminhas

31 de março é a data de início do regime militar no Brasil

Protesto contra a ditadura militar

Protesto contra a ditadura militar

Foto: Paulo Pinto / Fotos Públicas

O mundo fervilhava no início da década de 1960.

Ainda no fim dos 1950 foram lançados vários projetos culturais alternativos ao moralismo rígido então vigente. A literatura beat de Jack Kerouac, o rock de garagem marginal aos grandes astros, movimentos de vanguarda no teatro e no cinema. Nos EUA, a eleição de John Kennedy (1960) rompia com um período de domínio político mais conservador. Alguns países ocidentais acenavam (uns mais, outros nem tanto) politicamente à esquerda, com a Revolução Cubana de 1959, a coalizão italiana de centro-esquerda (1963) e os trabalhistas britânicos (1964). No Brasil, o governo João Goulart sorria para a União Soviética.

Época de questionamentos para os americanos, com a segunda onda do feminismo e os movimentos civis de negros e gays. João 23 abre concílio que mexeria com o catolicismo. Movimentos de contracultura, como o hippie, protestavam por um mundo de paz e amor, contra a Guerras Fria e do Vietnã. Havia um certo lirismo no ar, com manifestações socioculturais e um idealismo advindo de um espírito de luta do povo. Até a Bossa Nova sofre uma ruptura, com nomes como Marcos Valle, Dori Caymmi, Edu Lobo, Carlos Lyra e Nara Leão se aproximando mais do morro e das raízes brasileiras, como o samba de Zé Ketti e Cartola e o xote de João do Vale.

Na economia os tempos por aqui eram difíceis. A urbanização e a industrialização do período JK resultaram em declínio no crescimento do Brasil. A dívida externa era galopante, dados os empréstimos para a modernização do país, que passava por queda na produção interna, já que a indústria nacional não era competitiva. Essa conjuntura causou queda do poder aquisitivo dos salários, desemprego e inflação. As novas indústrias não criavam empregos o suficiente para o rápido crescimento populacional urbano, e a renda estava ainda mais concentrada.

Crise socioeconômica, movimentos contraculturais, questionamentos morais, o “perigo comunista” soviético, isso tudo junto e misturado, mais uns interesses daqui e dali, resultaram com que João Goulart fosse deposto da presidência, em golpe político apoiado por segmentos sociais importantes, como os grandes produtores rurais, a burguesia industrial paulista, boa parte da classe média urbana e o setor católico conservador, que promoveu a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade” poucos dias antes do 31 de março de 1964, quando os militares assumiram o poder. Seguiu-se no Brasil um período politicamente ditatorial de 21 anos marcado por um regime nacionalista e autoritário.

Nesta última semana, Jair Bolsonaro, presidente de formação militar e eleito sob a vigência do Estado Democrático de Direito, e poucos dias depois de ordenar comemorações pelo 31 de março, declarou em entrevista à Rede Bandeirantes que não houve ditadura no Brasil, e no período de mais de duas décadas após o golpe de 1964 “de vez em quando teve um probleminha”, como há em qualquer casamento.

Durante o regime militar, segundo o relatório da Comissão Nacional da Verdade, 423 pessoas foram mortas ou desapareceram, crimes resultantes de uma política de Estado. Ao todo, 4.841 pessoas perderam seus direitos políticos, tiveram seus mandatos cassados, foram compulsoriamente aposentadas ou demitidas. Em 1968, o Ato Inconstitucional número 5 (AI-5) produziu mais de 2.200 casos denunciados de tortura de presos políticos. São alguns dos probleminhas ocorridos durante o regime. 

Bela matéria da revista Superinteressante explica os mecanismos psicológicos que levam à postura de negação da existência de uma ditadura no Brasil, por exemplo.

Este que vos escreve entende que não há o que comemorar no 31 de março de 1964 para a nação brasileira. Entende que neste dia houve um golpe civil-militar que implantou uma ditadura militar causadora de feridas históricas de que jamais devemos esquecer, para que nunca se repitam!

Gabriel Oliveira - Crônicas do Cotidiano

Gabriel Oliveira - Crônicas do Cotidiano
As Crônicas do Cotidiano se dedicam a vislumbrar o quão surpreendente pode ser aquilo que aparentemente é corriqueiro, e que depende de cada um tornar grandioso e significativo para si mesmo o que naturalmente parece trivial e insignificante. Este é um espaço dedicado à reflexão de que todas as ações possuem reações que afetam a nós e ao mundo em nosso redor, à ideia de que somos seres políticos e que exercemos esta característica nas escolhas que fazemos no cotidiano. 

Gabriel Oliveira, professor do Instituto Federal de Mato Grosso - IFMT, é Doutorando em Linguística pela UNICAMP, Mestre em Ciências da Comunicação pela USP e Graduado em Letras pela Federal do Rio Grande - FURG. Concentra suas pesquisas na área de Análise do Discurso. É membro da diretoria da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura - ABEH e possui larga experiência com docência superior em instituições de MT e de SP, além de trabalhos e projetos em Comunicação no mundo corporativo.
ver artigos

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet