Cuiabá, domingo, 16/06/2024
16:55:20
informe o texto

Notícias / Política

28/04/2024 às 13:54

DISCUSSÃO NO CONGRESSO

Caso Joca pressiona regulamentação do transporte de pets em voos

Projetos de lei que tratam sobre o transporte aéreo de animais podem ganhar espaço na agenda do Congresso após a morte do cachorro Joca

Metrópoles

Caso Joca pressiona regulamentação do transporte de pets em voos

Foto: Reprodução

A morte do cachorro Joca, um golden retriever de quatro anos, teve grande repercussão nacional e acendeu o debate para a regulamentação do transporte de pets. Atualmente, as regras são estabelecidas por cada companhia aérea.

Joca faleceu na segunda-feira (22/4), durante um transporte aéreo errôneo feito pela companhia aérea Gol. O animal deveria ter sido levado do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, com destino ao Aeroporto Municipal de Sinop, no Mato Grosso, porém foi levado para Fortaleza (CE).

Após a repercussão do caso, a deputada federal Camila Jara (PT-MS) apresentou um projeto de lei (PL 1434/24) que propõe diretrizes para o transporte de animais. “Existem outros projetos de lei para regulamentar o transporte de animal de assistência emocional em cabines de aeronaves. O nosso projeto vai tramitar junto a esses, e assim vamos direcionar a discussão para um caminho mais abrangente, olhando não só para a condição de assistência emocional do tutor, mas para o direito do animal à segurança e ao conforto”, explica.

A parlamentar espera rapidez na tramitação dos projetos. “Esperamos que os projetos sejam votados em breve na Comissão de Meio Ambiente, da qual eu participo. Também levaremos rapidamente ao Plenário, já que foi apresentado requerimento de urgência pelo deputado Marangoni”, detalhou a parlamentar.

Transporte em bagageiro

Pelas regras atuais das companhias aéreas, o transporte de animais com menos de 8kg pode ser feito na cabine, junto ao tutor, desde que o pet passe o voo todo na caixa de transporte. Já em caso de animais maiores, quando não for o caso suporte emocional, eles são levados junto às bagagens, sem acompanhamento.

A veterinária Gabrieli Garcez explica que, muitas vezes, os animais em transportes aéreos por bagageiros sofrem com o excesso de barulho, o que pode gerar um colapso. “Também tem que ser levado em consideração se ele já tem algum problema cardíaco ou algum tipo de dificuldade respiratória. Se for uma viagem muito longa, pode vir a sofrer de hipoglicemia por não ter se alimentado, ou sofrer de desidratação, por ser ambiente muito quente. Então, existem inúmeras coisas que podem acontecer com um animal no bagageiro, e esse é um grande risco que não é pensado pelas companhias aéreas”, pontua.

Garcez recomenda melhorias nos bagageiros das aeronaves. “Deveria haver uma parte dos bagageiros destinada só para os animais, com um ambiente climatizado, mais seguro”.

A veterinária também sugere um sistema de câmeras para monitorar os animais. “Caso acontecesse alguma coisa, algum veterinário a bordo poderia prestar os primeiros socorros, se necessário”, justifica.
Clique aqui, entre na comunidade de WhatsApp do Leiagora e receba notícias em tempo real.

Siga-nos no Twitter e acompanhe as notícias em primeira mão.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet