Cuiabá, domingo, 22/09/2019
14:26:33
informe o texto

Notícias / Judiciário

11/09/2019 às 16:55

MP investiga suposto fraude de licitação por ex-secretário da Secitec

Além do ex-secretário, são investigados engenheiro civil e a construtora que teriam envolvimento no esquema de fraude.

Maisa Martinelli

MP investiga suposto fraude de licitação por ex-secretário da Secitec

Foto: Secitec

O Ministério Público do Estado (MPE) ingressou com uma ação civil pública em desfavor do ex-secretário de Estado de Ciência e Tecnologia (Secitec), Rafael Bello Bastos, o engenheiro civil Gilvan Lucas Evangelista e a Construtora Nhambiquaras Ltda, por suposto envolvimento em fraude de licitação.

O MPMT havia instaurado um inquérito para apurar informações da Recomendação Técnica da Controladoria Geral do Estado. O parecer revelou diversas irregularidades no contrato firmado entre a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secitec) com a construtora, que estabelecia sobre a prestação de serviços de manutenção predial e corretiva, com fornecimento de materiais e insumos.

O promotor de Justiça, Célio Fúrio, requereu o ressarcimento de R$ 205,8 mil ou, ao menos, a devolução do valor de R$ 111,5 mil referente valor pago pelos serviços não realizados.

Segundo o órgão ministerial, a obra foi efetuada antecipadamente, sem a prévia formalização de contrato, sendo, posteriormente, feito um processo a fim de justificar o pagamento. Ficou constatado também que a obra não foi realizada de forma satisfatória, deixando falhas na pintura, nas caixas d’água; estado avançado de corrosão de estrutura metálica; cobertura metálica danificada, evidenciando que não houve a troca da cobertura do prédio, além de danos nas portas e na parte hidráulica dos banheiros e lavatórios.

Conforme apontou Fúrio, “em razão desse trabalho da CGE/MT, que apurou as inconformidades encontradas em visita técnica, constatou-se um pagamento por serviços não executados no valor de R$ 111.572,56.”

Baseado nos fatos, o MPMT considera que Rafael Bello Bastos e o engenheiro civil Gilvan Lucas, que atuava na Secitec, teriam armado um esquema do negócio em benefício da empresa.

“Contudo, pelo que se verifica das provas contidas nos autos, a “combinação” da obra não observou os requisitos legais e, pela forma como foi feita indica clara fraude a processo licitatório e descumprimento de requisitos básicos exigidos para o cumprimento da legalidade e moralidade pública. Parece muito mais um negócio “arranjado” para beneficiar a construtora requerida. Assim, todo os processos administrativos mencionados são inválidos, podendo se dizer que o valor total empenhado, de R$ 205.899,00 foi efetivamente o dano sofrido pelo erário e aquele valor deve retornar aos cofres públicos e não apenas o valor liquido recebido pela empresa ou o valor considerado como superfaturamento”, pontuou o promotor.

“Todo o narrado configura, evidentemente, ato de improbidade administrativa, quer pela violação aos preceitos e princípios constitucionais que deveriam ter sido observados pelos gestores, quer pelo enriquecimento ilícito ocorrido, quer pela perda patrimonial e desvio experimentados pelo Estado de Mato Grosso, fazendo surgir a obrigação final e mais importante, de recomposição do dano provocado ao patrimônio público”, finalizou Célio.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Enquete

Você está satisfeito (a) com a gestão do governador Mauro Mendes?

Você deve selecionar uma opção
+enquetes
 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet