Cuiabá, quinta-feira, 09/04/2020
20:33:15
informe o texto

Notícias / Esporte

26/12/2019 às 12:57

Brasil confirma lugar entre potências dos JMM

Terceiro lugar em Wuhan mostra força da equipe brasileira

Leiagora

Brasil confirma lugar entre potências dos JMM

Foto: Rodolfo Vilela/Ministério da Cidadania

O ano de 2019 ficará marcado pela ótima campanha do Brasil na sétima edição dos Jogos Mundiais Militares (JMM), realizados na localidade chinesa de Wuhan. No evento, a delegação brasileira terminou na terceira posição do quadro de medalhas.

Desta forma o Brasil alcançou a meta de permanecer entre as três maiores potências desportivas militares entre todas as nações que integram o Conselho Internacional do Esporte Militar (CISM).

Ao final do evento a delegação brasileira conquistou um total de 88 medalhas (21 ouros, 31 pratas e 36 bronzes). A primeira posição ficou com a China, com 239 conquistas (133 ouros, 64 pratas e 42 bronzes), enquanto a Rússia foi a segunda, com 161 premiações (51 ouros, 53 pratas e 57 bronzes).

Ensaio para Jogos de Tóquio 2020

A participação em um megaevento esportivo como os JMM pode ser considerada uma espécie de ensaio dos atletas brasileiros para os Jogos de Tóquio. Um ensaio muito bem-sucedido em vários casos.

Um exemplo é Darlan Romani. O sargento da Força Aérea Brasileira fez um arremesso de 22m36cm e garantiu a medalha de ouro. Esta não foi a primeira conquista dourada dele em uma edição do evento. Em 2015, na edição realizada em Mungyeong, na Coreia do Sul, o brasileiro também conseguiu o melhor arremesso da prova.

Darlan é uma esperança de medalhas nos Jogos de Tóquio, em especial após um 2019 no qual também conquistou o título pan-americano, em Lima, no Peru.

Outra esperança de medalha olímpica para o Brasil que brilhou em Wuhan foi a judoca Rafaela Silva. Ela conquistou o ouro na categoria leve (até 57 Kg) ao derrotar a romena Andreea Chitu na final. Sargento da Marinha, a carioca de 27 anos já tem um ouro olímpico no currículo.

Ana Marcela Cunha também cumpriu uma bela jornada nos JMM, com a conquista de 3 medalhas. Foram um bronze, uma prata e um ouro, este na prova feminina dos 10 km. A atleta baiana da prova de maratona aquática é considerada uma das esperanças de medalhas do Brasil no Japão.

Com presença garantida em Tóquio, a dupla brasileira de vôlei de praia Bruno Schmidt e Evandro ficou com o ouro em Wuhan. Eles venceram na final os alemães David Poniewaz e Bennet Poniewaz por dois sets a zero (21 /18 e 21/15).

Brasil nos Jogos

O Brasil esteve presente em todas as edições do Jogos Mundiais Militares. Se, em 1995, o país ocupou uma modesta 36ª posição no quadro de medalhas, atualmente pode ser considerado uma das grandes forças da competição.

Esta mudança de patamar aconteceu em 2011, quando a delegação brasileira garantiu a primeira posição do quadro de medalhas com 114 conquistas (45 ouros, 33 pratas e 36 bronzes). Nesta oportunidade a sede foi a cidade do Rio de Janeiro.

Os Jogos de 2011 receberam 4.218 atletas representando 111 países. Os 10 dias do evento contaram com disputas em 20 modalidades, sendo que 6 delas eram tipicamente militares.

Quatro anos depois o Brasil voltou a ter uma campanha de destaque. Conquistou o total de 84 medalhas (34 ouros, 26 pratas e 24 bronzes) e garantiu a segunda posição no quadro de medalhas.

Wuhan 2019

Em 2019, em Wuhan, o Brasil alcançou sua terceira melhor campanha na história dos Jogos Mundiais Militares e confirmou seu lugar entre as potências do evento esportivo.

 
Direto da redação, Fábio Lisboa, Agência Brasil

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet