Cuiabá, terça-feira, 07/04/2020
10:16:01
informe o texto

Notícias / Judiciário

19/02/2020 às 10:27

Leandro Volochko irá ocupar vaga de promotora que desviou quase R$ 1 mi do MP

Solange foi afastada pela desembargadora do Tribunal de Justiça Clarice Claudino após ser denunciada no início do mês pelo MPE por ter supostamente desviado R$ 985,785 mil da Promotoria de Paranatinga

Luana Valentim

Leandro Volochko irá ocupar vaga de promotora que desviou quase R$ 1 mi do MP

Foto: Reprodução da internet

O Ministério Público do Estado designou o promotor de Justiça Leandro Volochko para responder pela 1ª Promotoria de Justiça Criminal da comarca de Chapada dos Guimarães, a partir de segunda-feira (17).

Apesar de haver várias especulações sobre o afastamento da promotora de Justiça Solange Linhares Barbosa, o MPE não confirmou a informação.

Conforme informações, Solange foi afastada pela desembargadora do Tribunal de Justiça Clarice Claudino após ser denunciada no início do mês pelo MPE por ter supostamente desviado R$ 985,785 mil da Promotoria de Paranatinga, onde atuava.

A denúncia foi assinada pelo procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges e pelo coordenador do Núcleo de Ações de Competências Originárias (Naco Criminal), Domingos Sávio de Barros Arruda, em janeiro.

Conforme o documento, os desvios começaram em março de 2017, e foram registrados em pelo menos 13 Termos de Ajustamento de Conduta firmados por ela, como representante do MP. 

O órgão registrou que os termos eram sempre referentes a temas ambientais e previam que o depósito de valores em contas de três entidades nas quais ela e outros cúmplices tinham acesso.

O MP também destacou que Solange destinava os valores à projetos que, supostamente, seriam de interesse do órgão ministerial. No entanto, eles existiriam ‘apenas na imaginação dela’.

De acordo com o órgão, a promotora tem simpatia pelos povos indígenas e teria beneficiado comunidades, por interesse próprio. Ela teria usado os valores desviados para contratar serviços como a manutenção de equipamentos agrícolas em uma aldeia e construção de oca em outra.

Diante dos fatos, o MP pediu a condenação da promotora por peculato, praticado 13 vezes. Os comparsas também foram denunciados, sendo eles Jean da Rosa Nunes e Wellington Miranda Passos. Eles devem responder por desvio de recursos públicos, praticados sete e oito vezes.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet