Cuiabá, sábado, 06/06/2020
02:34:07
informe o texto

Notícias / Política

02/04/2020 às 15:44

Queda na arrecadação do ICMS pode chegar a 50% no mês de abril, estima Mauro

Em transmissão nesta quinta-feira (2), governador voltou a levantar a possibilidade de atraso salarial

Camilla Zeni

Queda na arrecadação do ICMS pode chegar a 50% no mês de abril, estima Mauro

Foto: Christiano Antonucci/Secom-MT

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), fez uma projeção nada otimista sobre a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) neste mês de abril. Segundo ele, os cofres estaduais podem ter um fluxo de 50% a menos do que nos últimos meses. Com isso, ele reacendeu a possibilidade de atraso nas folhas salariais.

A “queda gigantesca” na arrecadação, como Mauro Mendes avaliou, se dá diante do decreto de calamidade pública que vigora em Mato Grosso, em razão das medidas de prevenção à pandemia do novo coronavírus.

Em um pronunciamento transmitido em suas redes sociais, na tarde desta quinta-feira (2), o chefe do Executivo informou que a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) deve apresentar o balanço do mês de março na próxima segunda-feira (6).

Março foi o primeiro mês atingido pelas mudanças em razão do coronavírus. Isso porque, no dia 16, o governo publicou o primeiro decreto anunciando uma série de medidas restritivas para conter o avanço da pandemia estadual. Essa publicação depois substituída por, pelo menos, outros três decretos.

Conforme a Sefaz, a receita mensal de Mato Grosso fica em torno de R$ 1,5 bilhão, em média. Contudo, a projeção é de que, em março, a arrecadação tenha sido até 30% menor do que a estimada. 

De acordo com o governador, o balanço a ser apresentado pela secretaria deve nortear o Estado para adotar medidas de controle fiscal nos próximos meses.

Salários incertos

Mauro Mendes também passou a comentar a incerteza do pagamento da folha salarial dos servidores em dia, sob o argumento da queda de arrecadação que deve seguir até os próximos meses.

O ICMS é, atualmente, a principal fonte de arrecadação estadual, correspondendo a 70% do valor que entra nos cofres de Mato Grosso. Já a folha salarial do funcionalismo público consome pouco mais de R$ 600 milhões por mês.

"Tem que ficar muito claro pra todos que o governo do Estado, e as prefeituras também, não tem nenhuma ferramenta de gestão fiscal, gestão financeira que não seja o recebimento de tributos para honrar com as despesas, como pagamento de salários, compra de medicamentos, enfim, para cumprir com toda a cadeia de custos e realização de serviços públicos perante o cidadão", avisou o governador.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet