Cuiabá, quarta-feira, 03/06/2020
15:26:44
informe o texto

Notícias / Agro e Economia

21/05/2020 às 07:25

Alta do dólar aumenta o custo de produção do milho e algodão mato-grossense

O Imea alerta que os produtores devem ficar atentos à valorização da moeda americana para não sair no prejuízo

Edyeverson Hilario

Alta do dólar aumenta o custo de produção do milho e algodão mato-grossense

Foto: Ilustração

O custo de produção do milho e do algodão mato-grossense ficaram mais caros durante o mês de abril. O encarecimento, causado pela valorização do dólar, deixa os produtores em alerta, já que se não tiverem controle das despesas, podem ter prejuízos na safra 20/21. Entre os produtos que mais sofreram alterações estão os micronutrientes, macronutrientes, fungicidas e herbicidas.
 
No caso do algodão, o custo variável – que são os valores gastos na lavoura com sementes, maquinários, insumos agrícolas e mão de obras –, o aumento foi de 2,1%, se comparado ao mês de março. Desta forma, para se produzir um hectare, o cotonicultor está investindo R$ 9,1 mil.
 
O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) indica que a alta da moeda americana impactou principalmente nos preços dos micronutrientes, fungicidas e herbicidas, que normalmente são importados. Assim, o custo operacional, que é o valor gasto na lavoura subiu 2,1%, ante o mês passado, fechando em R$ 9,7 mil, o custo de cada hectare plantado.
 
“Sendo assim, para que o produtor consiga cobrir suas despesas, é necessário que negocie a sua pluma pelo menos a um preço médio de R$ 78,75, por arroba”, observa o Instituto.
 
Na produção do milho a alta foi puxada pela elevação dos preços dos macronutrientes e fungicidas, que respectivamente apresentaram aumento de 4,6% e 10,6%, no mês de abril. Assim, os custos variáveis são estimados em R$ 2,5 mil, por hectare plantado. Valor 2,9% acima do demonstrado em março.
 
Do mesmo modo, os custos operacionais também aumentaram 2,9% em relação ao mês anterior, impactados com a valorização do arrendamento da terra no estado.
 
Devido a conjuntura, o Imea alerta que os produtores devem ficar atentos quanto as variações das suas margens de produção para que consiga cobrir os custos com a lavoura de milho, que tem o ponto de equilíbrio estimado a uma média de R$ 20,2 por saca.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Em parceria com Engaje Sitevip Internet